Vários dirigentes bloquistas e figuras de esquerda, como Catarina Martins, Francisco Louçã, Alfredo Barroso ou Sérgio Godinho, subscrevem uma petição internacional em defesa de «um novo rumo» para a Grécia e de apoio ao povo helénico.

De acordo com a Lusa, esta petição internacional de apelo à mudança na Grécia e na Europa é subscrita por centenas de académicos, sindicalistas e dirigentes políticos da Europa, Canadá e Estados Unidos, entre os quais o linguista e ensaísta norte-americano Noam Chomsky.

Entre os peticionários contam-se também os escritores José Luís Peixoto e Valter Hugo Mãe, a jornalista e presidente da Fundação Saramago, Pilar Del Rio, o cientista Alexandre Quintanilha, o encenador Jorge Silva Melo, a presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Helena Roseta, ou o rapper português Chullage.

«Por toda a Europa, acreditamos que a mudança na Grécia não irá afetar apenas o futuro do povo grego. Uma vitória do Syriza permitiria à Grécia sair da presente situação de catástrofe, mas representaria também um início de mudança na Europa», lê-se no documento.

Os peticionários defendem ainda que «romper com as políticas de austeridade das instituições europeias seria um sinal, uma fonte de esperança para quem quer dignidade» e que, em caso de uma vitória da esquerda radical na Grécia, «o futuro governo grego necessitará dum apoio massivo por parte dos europeus».

As pressões, advertem, virão «dos mercados financeiros e forças políticas que receiam qualquer renúncia ao quadro obsoleto da globalização capitalista».

A petição internacional é subscrita por diversos militantes e dirigentes bloquistas, como Fernando Rosas, Pedro Filipe Soares, Marisa Matias, João Semedo ou José Manuel Pureza, pelo líder do partido Livre, Rui Tavares, ou ainda por Daniel Oliveira, do Fórum Manifesto.