O secretário-geral do PS, António Costa, vai percorrer o país na campanha para as autárquicas "quando a agenda da governação o permitir", com a secretária-geral-adjunta a intervir com uma agenda própria, ambos procurando combater a abstenção.

"Aproveitando algumas noites durante a semana, quando a agenda da governação o permitir e com intensos fins de semana", António Costa irá percorrer o país "de Bragança ao Algarve" no período oficial da campanha eleitoral, sendo que o também primeiro-ministro irá estar na próxima semana, durante três dias, em Nova Iorque, disse fonte oficial do PS à agência Lusa.

O chefe de Governo e líder do PS vai discursar na quarta-feira, em Nova Iorque, na 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas, dia em que também tem agendada uma reunião logo ao início da manhã com o secretário-geral da organização, António Guterres.

António Costa parte na segunda-feira ao fim da manhã para os Estados Unidos, sendo que nos dias em que estará fora do país a secretária-geral-adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, assumirá a liderança dos socialistas na campanha eleitoral - na segunda-feira, por exemplo, terá uma iniciativa ao final da tarde em Almada.

A secretária-geral-adjunta tem uma agenda própria, que coincide com o secretário-geral nalguns pontos, mas diversificando na maioria dos casos, com uma agenda mais preenchida, designadamente nos dias de semana", referiu a fonte socialista.

Para o PS, a campanha - cujo período oficial arranca na terça-feira - já começou há várias semanas, com os principais dirigentes nacionais a percorrerem todo o país.

Só neste fim de semana, por exemplo, "estão previstas mais de 70 ações de campanha por todo o país, com a presença de responsáveis nacionais" do partido, indicou a fonte do PS.

Hoje, Costa arranca o dia com um almoço-comício em Bragança, terminando a jornada em Viseu depois de passagens, de tarde, por Macedo de Cavaleiros, Mirandela, Mêda e Lamego.

Já no domingo, o líder do PS terá uma primeira ação de rua em Trancoso, passando depois por Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Manteigas, Guarda e Covilhã.

As eleições autárquicas realizam-se em 01 de outubro e a campanha oficial decorre entre dia 19, terça-feira, e 29 de setembro, uma sexta-feira.

 

Passos com duas a três ações por dia, reta final da campanha no norte e centro

O modelo de participação do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, na campanha autárquica passará por duas a três ações diárias mediatizadas, podendo ter outras iniciativas sem a presença da comunicação social.

Nas duas últimas semanas antes das eleições autárquicas de 01 de outubro, Passos Coelho vai concentrar-se a norte do Tejo – com passagens pelos distritos de Viseu, Bragança, Vila Real, Viana do Castelo e Porto e duas passagens previstas pelos distritos de Lisboa, Leiria, Aveiro e Braga.

Os distritos em que estará o líder social-democrata nos últimos três dias de campanha oficial – que decorre entre 19 e 29 de setembro – estão ainda por definir.

O presidente do PSD está, desde dia 01 de setembro, a percorrer o país em iniciativas desenvolvidas pelos candidatos autárquicos do partido, num modelo inspirado a partir das bases e com passagens por todos os distritos.

Visitas a instituições, fábricas e empresas farão parte da agenda de Passos Coelho nas iniciativas dos candidatos apoiados pelo PSD, bem como ‘arruadas’ ou visitas a feiras e festas populares, a par dos tradicionais almoços e jantares com militantes e simpatizantes.

De acordo com o diretor de campanha, o deputado do PSD e líder da distrital de Viseu Pedro Alves, as iniciativas com a presença de Passos Coelho foram filtradas pelas distritais a partir das solicitações dos vários concelhos e depois organizadas a nível nacional também em função de uma lógica geográfica.

Por essa razão, depois de se ter concentrado no sul e interior durante a primeira metade de setembro, Passos Coelho dedica a reta final de pré-campanha e a campanha oficial ao norte e centro do país.

Quanto ao número de iniciativas a ser divulgada à comunicação social – duas a três por dia -, a justificação prende-se com a agenda local – nem todas as ações são ‘mediatizáveis’ – e com a estratégia de comunicação do partido.

Assim, o dia de campanha de Passos Coelho deverá passar por uma iniciativa a meio ou final da manhã, outra à tarde e uma outra à noite, tradicionalmente a que juntará mais militantes e simpatizantes do partido.

Passos Coelho irá manter a sua agenda institucional como presidente do partido, nomeadamente as reuniões da comissão permanente e da comissão política do PSD.

Na campanha autárquica, estão também envolvidos dirigentes e notáveis do partido, que poderão cruzar-se com o líder ou fazer campanha em outros concelhos, casos, por exemplo, do ex-líder parlamentar do PSD Luís Montenegro – que tem uma intensa agenda de campanha autárquica – e dos vice-presidentes Marco António Costa, Maria Luís Albuquerque e Teresa Morais.

O PSD e o seu líder já estabeleceram como meta para as eleições recuperar a presidência da Associação Nacional de Municípios, perdida há quatro anos para o PS, o que implica ter um maior número de câmaras.

Em 2013, o PSD, sozinho ou em coligação, conseguiu apenas 106 câmaras, o seu pior resultado de sempre em autárquicas: 86 em listas próprias e outras 20 em coligações (16 com o CDS-PP, duas com CDS-PP e o PPM, uma com o PPM e uma com CDS-PP, PPM e MPT), enquanto o PS conseguiu 150 Câmaras, incluindo uma em coligação.

 

Cristas concentrada em Lisboa faz campanha em pelo menos mais seis concelhos

A presidente do CDS-PP e candidata à Câmara de Lisboa, Assunção Cristas, vai concentrar na capital as ações de campanha durante o período oficial, mas estará pelo país em pelo menos seis concelhos.

A líder centrista prevê participar em ações da campanha para as eleições autárquicas do próximo dia 01 de outubro nos concelhos de Pombal, Porto, Alcobaça, Alcochete, Alvaiázere e Foz Côa, depois de ter estado na pré-campanha em Ponte de Lima, município governado pelo CDS-PP, em Leiria e Mêda.

A agenda não está encerrada, disse à Lusa fonte oficial, ressalvando que podem surgir ainda mais compromissos da líder fora da Lisboa, onde é cabeça de lista à Câmara pela coligação "Pela Nossa Lisboa" (CDS-PP/MPT/PPM).

Durante o período oficial de campanha, que decorre entre 19 e 29 de setembro, Assunção Cristas irá participar no dia 20 num jantar em Pombal (Leiria), no dia 22 estará ao final da tarde no Porto, onde o CDS-PP apoia o independente Rui Moreira, no dia 24 almoçará em Alcobaça (Leiria) e no dia 26 estará, ao final da manhã, em Alcochete (Setúbal), e no dia 27 irá jantar em Alvaiázere (Leiria).

A líder deverá ainda participar numa ação de campanha em Foz Côa, mas que está por agendar.

Em 2001, quando também acumulou a liderança do CDS-PP com a candidatura à Câmara Municipal de Lisboa, o ex-líder Paulo Portas centrou igualmente a campanha autárquica na capital.

Dos onze dias oficiais de campanha, Portas dedicou seis integralmente a Lisboa, tendo passado outros dois dias no distrito de Aveiro. Mirandela (Bragança), Bombarral (Leiria), Loures (Lisboa) e Setúbal foram outras das poucas deslocações pelo país do então líder democrata-cristão.

Paulo Portas conseguiu ser eleito vereador em Lisboa com 7,59%, mas, a nível nacional, perdeu cinco câmaras, passando o CDS-PP de oito para três lideranças camarárias.

O cenário da saída chegou a ser equacionado pelo líder do CDS-PP, mas a demissão do então primeiro-ministro socialista António Guterres mudou o cenário político, e, em março do ano seguinte, Paulo Portas viria a assinar um acordo de Governo com o PSD liderado por Durão Barroso.

Há quatro anos, os centristas mantiveram a presidência da Câmara de Ponte de Lima (distrito de Viana do Castelo) e conquistaram outras quatro autarquias: Albergaria-a-Velha (distrito Aveiro), Vale de Cambra (distrito Aveiro), Velas (nos Açores) e Santana (na Madeira).

 

Distritos com mais habitantes no mapa da caravana de Catarina Martins

A caravana das eleições autárquicas da coordenadora do BE, Catarina Martins, vai centrar-se nos oito distritos com mais população de Portugal Continental, sendo os concelhos de Lisboa e Porto uma aposta clara nesta campanha, com diversas ações previstas.

Nas autárquicas de 01 de outubro, o BE vai concorrer sozinho a 131 concelhos e em coligação no Funchal (Madeira), com o partido a apostar no período de campanha até às eleições nos distritos de Lisboa, Porto, Setúbal, Santarém, Leiria, Aveiro, Braga e Faro.

De acordo com a agenda disponibilizada à agência Lusa pelo partido, Catarina Martins terá entre três a quatro ações públicas de campanha por dia e estará nas próximas duas semanas em cerca de 35 concelhos, acompanhada pelos respetivos candidatos.

Aos concelhos do Porto e de Lisboa - onde atualmente o partido não tem vereador eleito - Catarina Martins irá mais do que uma vez, para diferentes ações de campanha com João Teixeira Lopes e Ricardo Robles, respetivamente.

Em Lisboa, entre as iniciativas com o candidato Ricardo Robles, hoje à tarde haverá um comício no Largo da Severa, no bairro da Mouraria, com intervenções de moradores ameaçados de despejo na Rua dos Lagares.

Como tem vindo a acontecer nas últimas campanhas eleitorais do partido, a meio do calendário do período oficial de campanha - que decorre entre 19 e 29 de setembro -, acontecerá no dia 24 um mega-almoço em Lisboa, no Capitólio.

Já em relação ao Porto, o BE escolheu repetir o fecho da campanha das legislativas de 2015, com uma arruada na Rua Santa Catarina e um jantar na Alfândega, no dia 29.

O formato da campanha respeita aquele que tradicionalmente tem vindo a ser usado pelo BE, com visitas a escolas, hospitais, feiras, mercados e bairros, para além de arruadas, almoços e jantares, sendo a maioria dos dias encerrado com sessões públicas ou comícios.

O BE volta também a destacar algumas das suas ‘bandeiras’, como os temas dos transportes e mobilidade ou o ambiente, promovendo nesses dias ações de campanha um pouco diferentes do tradicional, como acontecerá, por exemplo, no domingo com uma viagem de barco, em Santarém, durante a qual Catarina Martins aproveitará para falar sobre os problemas da pesca tradicional e dos efeitos da poluição no Rio Tejo.

Os bloquistas vão ainda aproveitar o dia no distrito de Santarém para uma incursão em Salvaterra de Magos, concelho que perderam nas eleições autárquicas de 2013 e onde voltam a apresentar Ana Cristina Ribeiro, antiga presidente da autarquia.

Outro exemplo de um dia diferente entre as hostes do BE é a próxima quarta-feira, com uma viagem de bicicleta entre a estação ferroviária do Fogueteiro e o terminal fluvial do Seixal. Depois de "largar" a bicicleta, Catarina Martins e a restante comitiva vão fazer uma viagem de barco entre o Seixal e o Barreiro, ligação que não existe atualmente e que o BE entende que deve ser reativada.

A caravana bloquista vai também aproveitar o dia que dedica ao Algarve (em 27 de setembro) para introduzir a cultura na agenda da campanha, com uma visita à ACTA - A companhia de teatro do Algarve, em Faro.

Apesar do período oficial de campanha começar apenas na terça-feira, a caravana bloquista, com a sua líder, está já na estrada desde que Catarina Martins voltou de férias, fazendo até ao último dia de campanha a volta total pelos distritos de Portugal Continental e ilhas.

 

Jerónimo aponta “bússola” da CDU a Setúbal, Alentejo e Lisboa

O líder da coligação CDU, de comunistas e ecologistas, vai encabeçar a habitual volta ao "Centro-Sul" de Portugal durante a campanha autárquica, concentrando-se nas suas zonas de maior influência, os distritos de Setúbal e Lisboa e no Alentejo.

Jerónimo de Sousa e a caravana da CDU (Coligação Democrática Unitária), que inclui a associação Intervenção Democrática e independentes, vão percorrer ruas que sabem de cor e salteado de outras "lutas" para tentar conservar os 34 municípios conquistados há quatro anos ou mesmo aumentar esse número.

A lisboeta Morais Soares, as principais artérias de Almada, a portuense Santa Catarina, Cruz de Pau (Seixal), Baixa da Banheira (Moita), a emblemática aldeia do Couço (Santarém) e a também "alfacinha" rua do Carmo serão locais por onde os comunistas voltarão a passar.

O encerramento da campanha também já está marcado e irá acontecer em Loures, no dia 29 de setembro, com um comício.

A presidência da Câmara Municipal de Loures foi a grande vitória das autárquicas de 2013, quando o ex-líder parlamentar do PCP Bernardino Soares reconquistou para a coligação um município perdido em 2001 para os socialistas.

No total, em 2013, a CDU conquistou a nível nacional 11% dos votos, que se traduziram em 213 mandatos.

Já neste fim de semana, após uma incursão na sexta-feira pelo Algarve, o secretário-geral do PCP irá apelar ao voto nos distritos de Évora e Beja, regiões a que voltará na última semana da campanha oficial, que decorre entre 19 e 29 de setembro.

A partir de dia 19, o líder comunista irá percorrer nove distritos, quase todos a sul do Mondego, maioritariamente no litoral, sendo Setúbal o terreno mais "pisado", com direito a cinco dos 11 dias de estrada, graças às 11 autarquias aí conquistadas em 2013: Alcácer do Sal, Alcochete, Almada, Barreiro, Grândola, Moita, Palmela, Santiago do Cacém, Seixal, Sesimbra e Setúbal.

No primeiro dia de campanha oficial estarão no mapa Tomar e Santarém, seguindo-se Atouguia da Baleia e Marinha Grande (Leiria). Portalegre foi o distrito eleito para quarta-feira, dia 20 de setembro, com um jantar marcado para Avis, antes de nova passagem por Setúbal, com destino ao litoral alentejano.

Já no fim de semana de 23 e 24 de setembro, os carros e carrinhas com altifalantes retornam à península de Setúbal (Alcochete, Corroios, Barreiro) e à grande Lisboa (Azambuja, Odivelas e Vila Franca de Xira).

A última semana de campanha começará a norte (Porto e Braga) até nova passagem por Beja e por Évora. Para os últimos dias ficaram reservadas mais ações em território setubalense e lisboeta, além do tradicional almoço do Couço, histórica terra de combatentes antifascistas.

Os três derradeiros dias de contacto com os eleitores irão contemplar um comício no central Fórum Luísa Todi, em Setúbal, outro em Alpiarça, no clube desportivo "Os Águias", e as "arruadas" de Baixa da Banheira, Barreiro e baixa de Lisboa.

Além das 11 câmaras conquistadas no distrito de Setúbal, a CDU venceu em oito municípios do distrito de Beja (Alvito, Barrancos, Beja, Castro Verde, Cuba, Moura, Serpa e Vidigueira), conquistou seis autarquias em Évora (Alandroal, Arraiolos, Évora, Montemor-o-Novo, Mora e Vila Viçosa) e três em Santarém (Alpiarça, Benavente e Constância).

Nos distritos de Lisboa, a CDU tem as autarquias de Loures e do Sobral de Monte Agraço, enquanto no distrito de Portalegre preside às câmaras de Avis e Monforte. Em Leiria, os comunistas e ecologistas venceram em Peniche e, no distrito de Faro, detêm o concelho de Silves.