Nove partidos e três coligações, num total de dezassete forças políticas, entregaram esta segunda-feira no Tribunal da Comarca da Madeira, no Funchal, as respetivas candidaturas às eleições legislativas regionais que se realizam a 29 de março.

PSD, BE, CDS, PCTP/MRPP, PND, PNR, JPP, PDR e MAS foram os nove partidos que formalizaram hoje a entrega das candidaturas, o mesmo acontecendo com as coligações "Mudança" (PS/PTP/MPT/PAN), a CDU (PCP/PEV) e a Plataforma de Cidadãos (PPM/PDA), confirmou à Lusa o juiz-presidente da Comarca da Madeira, Paulo Barreto.

«As cópias das listas são agora afixadas provisoriamente, a partir deste momento, na porta do tribunal e a partir de amanhã [terça-feira] e por um período de quarenta oito horas a juíza verifica a regularidade do processo, a autenticidade dos documentos e a elegibilidade dos candidatos», adiantou o magistrado.

Todos os partidos e coligações entregaram hoje as listas, no último dia do prazo estabelecido na Lei Eleitoral para o efeito.

Nas últimas eleições legislativas que decorreram a 09 de outubro de 2011 concorreram nove forças políticas – PSD, CDS, PS, PTP, CDU, MPT, PAN, PND, BE

A 29 de março, pela primeira vez numas eleições legislativas regionais, o cabeça de lista do PSD/Madeira não é Alberto João Jardim, que desde 1978 foi o primeiro candidato do partido, sendo agora substituído pelo novo líder social-democrata, Miguel Albuquerque.

Quanto ao PS/M, concorre coligado com o PTP, o Movimento Partido da Terra (MPT) e o Partido Pelos Animais e Pela Natureza (PAN), sendo a lista encabeçada pelo líder socialista insular, Vítor Freitas.

Uma outra novidade é o movimento Juntos Pelo Povo (JPP) que começou no concelho de Santa Cruz, onde nas últimas autárquicas derrotou o PSD e passou a governar o município, que se constituiu agora em partido e vai concorrer com o objetivo de estender a toda a região o projeto de cidadãos que tem desenvolvido naquela localidade. A lista é encabeçada pelo presidente da junta de freguesia de Gaula, o arqueólogo Élvio Sousa.

Também o Partido Nacional Renovador (PNR) se apresenta pela primeira vez ao eleitorado madeirense tendo como primeiro candidato Álvaro Araújo.

Quanto ao Partido Democrático Republicano (PDR), aposta em João Paulo Botas, e a coligação Plataforma de Cidadãos constituída pelo PPM/PDA, que tem como cabeça de lista Miguel Fonseca, também se estreia neste ato eleitoral no arquipélago.

O CDS/PP-M volta candidatar o seu líder regional, José Manuel Rodrigues.

A Coligação Democrática Unitária (CDU) composta pelo PCP/PEV insiste no atual coordenador insular, Edgar Silva, o mesmo acontecendo com o Bloco de Esquerda (BE) que recandidata o seu responsável, Roberto Almada.

Por seu turno, o Partido da Nova Democracia (PND) tem como primeiro candidato Gil Canha e o PCTP/MRPP (Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses) apresenta Alexandre Caldeira.

Nas eleições de 2011, o PSD/M, apesar de ter registado o seu pior resultado de sempre neste tipo de sufrágio, conseguiu assegurar a sua 9.ª maioria absoluta, conquistando 25 dos 47 lugares no parlamento da Madeira, ao obter 71.556 votos (48, 56%).

O CDS elegeu nove deputados e passou a ser a segunda força mais votada, seguindo-se o PS (6), o PTP (3), enquanto a CDU, o PND, o MPT, o PAN ficaram com um representante cada. O Bloco de Esquerda deixou de ter lugar no parlamento madeirense.

Os partidos que tiveram assento parlamentar na Assembleia Legislativa da Madeira na última legislatura preveem gastar mais de 800 mil euros na campanha para as regionais antecipadas de 29 de março, um valor muito inferior ao orçamentado em 2011.

Nas últimas legislativas regionais, os oito partidos e a coligação (CDU) que concorreram neste ato eleitoral entregaram no Tribunal Constitucional os orçamentos para a campanha que totalizou 1.953.440,00 euros.