Satisfeita, Assunção Cristas elogiou os membros do seu partido nos Açores realçando os resultados eleitorais conseguidos nas eleições para o parlamento regional dos Açores.

Neste domingo, o CDS-PP foi uma das forças que cresceu, passando de 5,6% em 2012 para 7,1% do número de votos, conquistando mais um deputado no Parlamento regional.

As sondagens davam-nos dois mandatos. Pois bem, tivemos quatro", sublinhou a presidente do CDS-PP, falando na sede nacional do partido.

Estamos muito satisfeitos por este resultado, saudamos o presidente do CDS Açores, Artur Lima, junto de quem me empenhei e com todos os cabeças de lista do CDS em cada uma das ilhas, para termos este excelente resultado para o CDS", afirmou Assunção Cristas.

Assunção Cristas não deixou, contudo, de lamentar a alta taxa de abstenção verificada, a maior de sempre, que se cifrou nos 59,1%.

A abstenção é muito preocupante, mas devemos lembrar-nos que os Açores têm uma situação muito específica nesse aspeto, que merece ser analisada", acrescentou.

Passos felicita PS

Numa curta declaração, sem possibilidade de perguntas por parte da comunicação social, o presidente do PSD fez questão de "cumprimentar o PS a nível regional e também a nível nacional" pela vitória eleitoral nos Açores.

Lamento que não seja uma noite de festa eleitoral para o PSD", referiu Passos Coelho, que ainda assim louvou a campanha do candidato Duarte Freitas, na qual o presidente social-democrata não participou localmente.

Numa declaração sem direito a perguntas, o líder do PSD admitiu que os açorianos "escolheram a continuidade" e cumprimentou o PS, quer em termos nacionais, quer em termos regionais.

Ao líder regional do PSD/Açores, Passos Coelho deixou igualmente um cumprimento, sublinhando que, apesar dos resultados, Duarte Freitas "mostrou uma grande capacidade para poder comunicar nos Açores a posição do PSD e a sua vontade de mudar".

"Mas, democraticamente devemos reconhecer que essa não foi a vontade expressa dos açorianos", acrescentou Passos Coelho, assegurando que, de qualquer forma, o PSD/Açores continuará a lutar por uma região com "mais desenvolvimento económico, com mais emprego, com mais bem-estar", porque é preciso "ter os olhos postos no futuro".

O PSD continua a ser um grande partido de implantação regional, que acredita na autonomia regional e que, com certeza, se irá bater todos os dias pela melhoria das condições de vida dos açorianos e por um futuro melhor para os Açores", vincou.

Passos Coelho deixou ainda uma nota sobre a "abstenção muito elevada" (59,1%), considerando que "é uma abstenção que responsabiliza todos, quem ganha e quem perde".

O resultado alcançado esta noite pelo PSD nos Açores foi o segundo pior desde 1976, ano em que os Açores passaram a ser uma região autónoma com órgãos de governo próprios.