Contas feitas, dá cerca de um milhão de euros por escola. São verbas provenientes de fundos comunitários e do Orçamento do Estado, num total de 200 milhões de euros que vão permitir modernizar 200 escolas em "mais de 70 municípios".

Todas estas intervenções que iremos fazer nas escolas públicas portuguesas, um pacote substancial de fundos estruturais que se irão aplicar em muitos estabelecimentos de ensino em Portugal que necessitavam de intervenção, estavam mapeadas nos fundos do Portugal 2020. Agora tivemos oportunidade de tirar do papel e contratualizar com muitos dos municípios de Portugal continental para que as obras efetivamente se façam", salientou o ministro Tiago Brandão Rodrigues, em Paredes de Coura, onde assinou os primeiros acordos de colaboração com nove municípios.

O ministro da Educação adiantou que dos mais de 200 milhões de euros, "168 milhões de euros, 70%, estão preparados para assinar".

No total foram já assinados acordos de colaboração no valor de 19 milhões de euros, que correspondem a 13 intervenções em escolas do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e secundárias de Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Valença e Viana do Castelo.

Juntos, tirámos do papel para o território, 19 milhões de euros que muito vão melhorar o novo sistema de educação", afirmou o ministro da Educação no discurso que assinalou a assinatura dos acordos.

No dia que marca o início do regresso às aulas, Tiago Brandão Rodrigues afirmou que aquele investimento vai abranger mais de oito mil alunos daquela região "cumprindo uma promessa incluída no programa eleitoral do Governo e o desejo dos autarcas de uma rápida aplicação dos fundos comunitários".