O BE manifestou preocupação por as colocações dos professores não terem ainda sido publicadas, como aconteceu nos últimos dois anos, e espera que o Governo "rapidamente colmate esta lacuna", que cria "instabilidade desnecessária".

Em declarações à agência Lusa, o líder da bancada parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, disse que nos últimos dois anos "por esta altura os professores já saberiam para onde se deslocar", recordando que é a "dia 01 de setembro que eles têm de se apresentar nas escolas".

"Quando chegamos ao dia 30 de agosto não temos ainda disponível, publicado o resultado da colocação dos professores, quer os contratos quer os professores em mobilidade, nós assistimos a um atraso que do nosso ponto vista causa preocupação, vai causar instabilidade na própria vida dos professores e curiosamente não aconteceu nos anos anteriores e, por isso, do nosso ponto de vista também não tem explicação para que tenha acontecido este ano", criticou.

O BE espera assim que "o Governo rapidamente colmate esta lacuna", não ignorando que "esta instabilidade foi desnecessária".

"Temos consciência que hoje é dia 30, do ponto de vista de dias úteis, os professores têm mais um dia útil para se preparar para uma mudança que por vezes é para longe de casa e desse ponto de vista o Governo poderia e deveria ter antecipado a publicação das listas de colocação", sublinhou.

Do ponto de vista informal, Pedro Filipe Soares, adiantou que tem "canais próprios de ligação ao Governo" através dos quais está a "pressionar para que o arranque do ano letivo corra bem e para que a apresentação dos professores pudesse ser feita atempadamente, como aconteceu aliás nos dois últimos anos".

As listas de colocação de professores contratados para o ano letivo 2017-2018 foram o ano passado publicadas a 25 de agosto.

Numa nota então publicada, o Ministério da Educação realçou que a publicação das listas, no portal da Direção-Geral da Administração Escolar, foi antecipada em "cerca de uma semana" face a anos anteriores".