O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, vai ser recebido na terça-feira, em Berlim, pela chanceler alemã, Angela Merkel, num encontro no qual será abordada a saída de Portugal do programa de assistência financeira, que se encontra já na reta final.

O almoço de trabalho de dia 18 ocorre a já menos de dois meses da data prevista para a conclusão do ¿resgate¿ ¿ 17 de maio -, pelo que se espera que a reunião seja dominada pela forma de saída de Portugal do programa e regresso aos mercados, numa altura em que o Governo ainda não decidiu se solicitará aos seus parceiros uma linha de crédito cautelar ou se opta pela chamada «saída limpa» (sem qualquer apoio), como fez a Irlanda, em dezembro último.

A questão será discutida agora ao mais alto nível, entre o chefe de Governo e a chanceler, depois de, na semana passada, já ter sido abordada, igualmente em Berlim, pelos chefes de diplomacia dos dois países, por ocasião de uma visita do ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, à Alemanha.

Na passada segunda-feira, Rui Machete apontou que foram discutidas «as várias soluções» para o pós-troika, mas indicou que «não se definiram posições nem da Alemanha nem de Portugal».

«Referiu-se o problema, identificaram-se as questões. Tive ocasião de informar quais são, na nossa opinião, as vantagens e as desvantagens das diversas soluções. Não manifestei nenhuma preferência nem foi manifestada nenhuma preferência pela Alemanha. Foram inventariados os aspetos vários que cada uma das soluções comporta, todas têm aspetos positivos e menos positivos», afirmou o ministro.

No mesmo dia, mas em Bruxelas, a ministra das Finanças, no final de uma reunião do Eurogrupo, admitiu que a decisão do Governo sobre a forma de saída do programa de assistência seja tomada apenas em maio, apontando que não há qualquer data fixada com os seus parceiros.

Maria Luís Albuquerque lembrou que «a data de conclusão (do programa) é 17 de maio», pelo que a decisão será «seguramente antes dessa data», mas indicou que poderá ser comunicada ao Eurogrupo tanto na reunião agendada para 01 e 02 de abril em Atenas, como na seguinte, que terá lugar em Bruxelas a 05 de maio.

Além da questão da saída do programa, Angela Merkel e Passos Coelho deverão abordar outros assuntos europeus e de atualidade, como é o caso da situação na Ucrânia, já discutida ao nível de chefes de Estado e de Governo da União Europeia numa cimeira extraordinária a 06 de março passado, mas cujos desenvolvimentos a UE continua a acompanhar com preocupação.

Já depois do encontro com a chanceler Merkel, Pedro Passos Coelho participará ainda numa conferência organizada pelo jornal Die Welt, antes de regressar a Lisboa, no mesmo dia.