cenário macroeconómico elaborado pela sua equipa para os socialistasMedidas que a maioria quer enviar para análise à UTAO

"A via fiscal não é saudável para resolver os problemas económicos do país", advertiu, numa crítica à atual situação do país, antes de defender que a questão do mercado de trabalho "é central" para o futuro de Portugal.

"É no mercado de trabalho que se formam as pensões e é também no mercado de trabalho que se pagam as pensões. Não vamos conseguir nada, nem mesmo vamos conseguir pagar impostos, se não se reorganizar o nosso mercado de trabalho", dramatizou o quadro do Banco de Portugal.


"É uma linha altamente perversa. Diz-se sempre que nunca é boa altura para se fazer reformas no mercado de trabalho. Primeiro é porque estamos a crescer, depois é porque estamos em crise e a seguir é porque joga o Benfica", argumentou, provocando risos na plateia.