A Alemanha reagiu ao insulto feito por José Sócrates ao ministro das Finanças alemão, com declarações de apoio a Portugal. O ex-primeiro-ministro português referiu-se a Wolfgang Schauble, numa entrevista ao «Expresso», como «estupor» e «filho da mãe».

Na resposta, a Alemanha lembra que «sempre foi um parceiro fiável e tem apoiado Portugal na superação da crise financeira». Num comunicado emitido pela embaixada alemã, mas que foi discutido pormenorizadamente com o Ministério das Finanças e dos Negócios Estrangeiros alemães, lembra-se que «o governo federal da Alemanha tem sempre apoiado o seu parceiro português nas necessárias e frequentemente difíceis medidas adotadas».

«Para tal, a Alemanha deu desde o início - e de forma resoluta - o seu grande contributo aos fundos de resgate europeus e aos fundos estruturais da União Europeia. Também no futuro Portugal poderá continuar a contar com a Alemanha», acrescenta a nota.

«Assegurar a estabilidade da moeda comum, bem como emergir desta crise de forma fortalecida, com maior crescimento e emprego, foram e continuam a formar o interesse comum de ambos países», refere ainda a embaixada alemã.

Recorde-se que, na entrevista dada ao «Expresso», José Sócrates descreve os eventos em torno de um jantar em Berlim, por altura do PEC-4, no qual «Merkel está do outro lado, com aquele estupor do ministro das Finanças, o Schauble, que agora foi corrido».

«Todos os dias esse filho da mãe punha notícias nos jornais contra nós. E ligávamos para o gabinete da Merkel, e ela, com quem me dava bem, dizia que vinha do gabinete do ministro das Finanças. No jantar, ela pô-lo ao lado para o comprometer. Disse: 'Devo ser a única na Alemanha que acha que vocês não precisam de ajuda'», contou Sócrates ao jornal.