O PSD garante que já não haverá qualquer acordo com o PS sobre a proposta de reforma do IRC, e diz que a culpa é dos socialistas que fizeram exigências inegociáveis.

Em declarações à agência Lusa, o vice-presidente da bancada parlamentar do PSD, Duarte Pacheco, garantiu que «não há acordo e nem vai haver» e diz que esta falta de entendimento entre os partidos é lamentável.

«A responsabilidade é do PS, porque enquanto a maioria mostrou abertura para negociar e mostrou-se disponível para aceitar propostas, o PS colocou questões inegociáveis», afirmou o deputado social-democrata.

Duarte Pacheco diz ainda que esta postura do PS na questão da reforma do IRC até se insere numa lógica mais global de o «PS estar numa posição de radicalização da oposição».

Ainda assim, o deputado garante que a maioria parlamentar PSD/CDS-PP vai aprovar na reunião da comissão, que será retomada no final da tarde desta quinta-feira, algumas das propostas do PS.

Entre elas, está uma proposta de um incentivo fiscal para lucros retidos e reinvestidos pelas pequenas e médias empresas, a redução do pagamento especial por conta para mil euros, o alargamento do regime simplificado para empresas com volume de negócios até 500 mil euros, a criação de um novo escalão de derrama estadual para agravar a tributação das muito grandes empresas.