O presidente do PSD/Açores, Duarte Freitas, considerou esta quinta-feira que a iniciativa e aprovação do referendo sobre a coadoção e adoção por casais homossexuais foi um «mau momento para o PSD».

«Foi um processo que não foi bem conduzido. Em função daquilo que está em causa para as crianças, em função das prioridades do país, em função do tempo e do dinheiro que se perde neste processo, acho que foi um mau momento para o PSD e foi um mau momento para a política nacional», afirmou, em resposta a questões dos jornalistas, em Ponta delgada.

Reiterando que o referendo aprovado pela bancada do PSD na Assembleia da República «não dignificou o parlamento nacional e a democracia», Duarte Freitas insistiu também em que «a primeira prioridade» que deve haver nesta questão «são as crianças» e «resolver o problema das crianças».

«Não é com um referendo que vamos resolver o problema», considerou, dizendo que do ponto de vista do país e dos portugueses, há «problemas mais graves para resolver».

«No entanto, não sendo o problema que é a primeira prioridade dos açorianos e dos portugueses, é a primeira prioridade para muitas crianças e é aí que devemos focar a nossa atenção», acrescentou, referindo que um «referendo faz perder tempo e dinheiro» e que, por outro lado, «não é correto misturar coadoção com adoção por casais homossexuais».

Duarte Freitas disse ainda que não deu indicações de voto aos três deputados do PSD/Açores na Assembleia da República porque só toma essa iniciativa quando estão em causa «interesses específicos da generalidade dos açorianos».