A subcomissão parlamentar para a Igualdade e Não discriminação aprovou esta quinta-feira a audição da direção do Colégio Militar, proposta pelo Bloco de Esquerda, para prestar esclarecimentos sobre a questão da homossexualidade na instituição.

A presidente da subcomissão, Elza Pais, disse à Lusa que o requerimento do Bloco de Esquerda foi aprovado com os votos dos deputados do PS e do Bloco, e a abstenção dos deputados do CDS-PP e do PSD (o PCP não estava representado).

Elza Pais disse também que, na reunião de hoje da subcomissão, foi aprovado por unanimidade outro requerimento para ouvir a associação de pais e encarregados de educação dos alunos do Colégio Militar.

A questão da não tolerância de homossexuais no Colégio Militar surgiu numa entrevista ao jornal 'online' Observador, ao subdiretor do Colégio, tenente-coronel António Grilo.

Na sequência das declarações, ouvido pelo Diário de Notícias, o Ministério da Defesa fez saber que pediu explicações ao Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) e assumiu que "considera absolutamente inaceitável qualquer situação de discriminação, seja por questões de orientação sexual ou quaisquer outras, conforme determinam a Constituição e a Lei".

Dois dias depois o CEME, Carlos Jerónimo, pediu a demissão. Foi escolhido para lhe suceder o tenente-general Frederico Rovisco Duarte, que toma posse na sexta-feira.