O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, considerou esta terça-feira que "não há nenhuma questão político-diplomática" entre Portugal e Angola e garantiu que 2016 será "um ano da intensificação das relações" bilaterais.

As relações entre Portugal e Angola são muito boas, no plano político-diplomático, muito estreitas do ponto de vista económico e são relações excecionalmente boas do ponto de vista dos respetivos povos", afirmou o governante à Lusa, à margem da cerimónia de posse do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, Gonçalo Teles Gomes.

O chefe da diplomacia angolana, Georges Chikoti, considerou recentemente que a intenção de Portugal de se candidatar ao cargo de secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) representa "uma imposição" que quebra os entendimentos naquela organização.

Por outro lado, o anterior presidente do CDS-PP, Paulo Portas, apelou aos órgãos de soberania para evitarem "a tendência para a judicialização da relação entre Portugal e Angola", considerando-a "um caminho sem retorno" e procurarem "em todas as frentes o compromisso".

Não há nenhuma questão político-diplomática" entre Portugal e Angola, afirmou hoje Augusto Santos Silva à Lusa, quando questionado sobre estas posições.

Na próxima quinta-feira, os ministros dos Negócios Estrangeiros e das Relações Exteriores da CPLP reúnem-se em Lisboa e, à margem desse encontro, Santos Silva realizará encontros bilaterais com os seus homólogos do Brasil e da Guiné Equatorial.

Questionado sobre se está previsto um encontro também com o ministro das Relações Exteriores angolano, o governante português disse que "está a ser tratada, pelos canais diplomáticos convenientes, a agenda bilateral entre Portugal e Angola".

Essa preparação tem sido feita, aliás, a vários níveis. E certamente 2016 será um ano da intensificação das relações político-diplomáticas entre Angola e Portugal", garantiu.