O co-líder do maior partido de esquerda alemão, Die Linke, afirmou nesta terça-feira que um acordo entre partidos de esquerda em Portugal é "um raio de esperança" para os defensores de uma Europa social.

Em declarações à Lusa em Berlim, Riexinger referiu que um possível governo de esquerda em Portugal, antevendo já a queda do atual executivo, é uma forma de "restabelecer regras democráticas" no país, alertando que "não será uma tarefa fácil" para a coligação PS, BE e PCP, "uma união sem precedentes em Portugal".

Bernd Riexinger, que partilha a liderança do partido alemão Die Linke com Katja Kipping, adicionou que depois de anos de políticas de austeridade, Portugal "tem de respirar", concluindo que "mudanças políticas não devem ser confundidas com instabilidade política".

"Qualquer passo político para o investimento público, melhores salários e benefícios sociais vai contribuir para a estabilização da sociedade Portuguesa e para o crescimento da demanda interna", referiu o co-líder da esquerda alemã.

Riexinger garantiu que o exercício dos direitos democráticos não faz de Portugal um "mau Europeu", acrescentando que o Die Linke espera que "Portugal venha a contribuir para uma Europa mais social no futuro".

O Die Linke (A Esquerda, em português) é o terceiro maior grupo parlamentar no Bundestag, o parlamento federal alemão, com 64 deputados de um total de 630, de acordo com os resultado das eleições federais em 2013.