José Sócrates vai continuar em prisão preventiva. O juiz Carlos Alexandre mantem a medida de coação mais gravosa. De acordo com informações recolhidas pela TVI, o juiz decidiu ainda que o empresário Carlos Santos Silva continua preso preventivamente.
 
Em relação ao antigo motorista de José Sócrates, o juiz Carlos Alexandre determinou a liberdade. João Perna estava em prisão domiciliária com pulseira eletrónica. A partir de agora, fica obrigado a apresentar-se semanalmente na esquadra da GNR. Fica ainda impedido de contactar os restantes arguidos bem como de se ausentar para o estrangeiro.
 
No caso de José Sócrates, o juiz entendeu que se mantêm inalterados os perigos de fuga e perturbação do inquérito.
 
Dentro de três meses, o juiz Carlos Alexandre volta a reapreciar as prisões preventivas.

Em comunicado, o advogado do ex-primeiro-ministro, João Araújo, confirmou que recebeu uma notificação sobre a decisão do  Juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal esta terça-feira, mas não revelou os termos e conteúdo da mesma por estes estarem «sujeitos a segredo de justiça».

João Araújo esclareceu que primeiro vai recolher «os pontos de vista e as instruções» do antigo primeiro-ministro e só depois tomará uma posição pública.

O advogado aproveitou, no entanto, para dizer que José Sócrates não espera nada do Procurador da República ou do juiz.

«Posso, em todo o caso, antecipar que o Senhor Engenheiro José Sócrates nada espera, seja para o que for, do Senhor Procurador da República ou do Senhor Juiz de Instrução.»