O deputado do PS Paulo Pisco pediu ao Governo esclarecimentos sobre as deportações de portugueses do Reino Unido para Portugal, um número que considera ser «anormalmente elevado».

Num requerimento dirigido ao ministério dos Negócios Estrangeiros entregue no parlamento, a que a Lusa teve acesso, o socialista considera que «as recentes declarações do governo sobre a matéria não são esclarecedoras».

Segundo Paulo Pisco, o Governo reconheceu recentemente a existência de deportações de cidadãos portugueses do Reino Unido para Portugal numa sessão de perguntas e respostas ao executivo sobre a matéria.

Mas, na ocasião, Rui Machete deu respostas inconclusivas que contradizem os dados do ano passado da Segurança Interna, nomeadamente no que diz respeito ao número de pessoas deportadas, acusou o parlamentar do Partido Socialista, que agora exige mais explicações ao governante.

«Entre as questões essenciais que ficaram por responder estão os motivos porque foram deportados e se o Governo já levantou este problema junto das instituições comunitárias ou se o tenciona fazer, de forma a defender os cidadãos portugueses e os valores humanistas que estruturam o projeto europeu», lê-se no requerimento enviado à Lusa.

Segundo Paulo Pisco, «o número de portugueses deportados do Reino Unido é anormalmente elevado», sobretudo se se tiver em consideração que «praticamente não há deportações de cidadãos portugueses de outros Estados membros da União Europeia».

O deputado garante que «há 550 cidadãos portugueses presos em Espanha e apenas o registo de uma deportação, 215 em França e três deportações, e 190 no Reino Unido, mas com 78 deportações, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna de 2013 (53, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros)»: «Em contrapartida, há o registo de 63 presos portugueses na Alemanha e de 49 no Luxemburgo, mas sem fazer referência a qualquer deportação/expulsão.»