A Comissão Política de Secção (CPS) do PSD de Coimbra «demitiu-se, hoje, em bloco», na sequência dos resultados eleitorais de 29 de setembro, disse à agência Lusa o presidente daquele órgão, Manuel Correia de Oliveira.

Os dirigentes do PSD de Coimbra, que hoje se reuniram para fazer ¿uma avaliação política dos resultados eleitorais¿, reconhecem que não alcançaram os objetivos a que se propuseram: manutenção da maioria da Câmara de Coimbra e na maior parte das freguesias do concelho, adiantou aquele responsável.

«No início do seu mandato, a CPS definiu como seu principal objetivo político contribuir para a vitória da coligação liderada pelo PSD nas eleições autárquicas», sublinha um comunicado daquela estrutura, divulgado hoje à tarde, reconhecendo que «o resultado no concelho de Coimbra revela que esse objetivo não foi alcançado».

O PSD de Coimbra vai iniciar, assim «um novo ciclo político», assumindo «o seu papel como maior partido da oposição, reestruturando a sua atividade política na Câmara Municipal, nas juntas de Freguesia e na sociedade coimbrã», acrescenta a mesma nota.

O PSD, que liderava com maioria absoluta a Câmara de Coimbra desde 2001, perdeu a autarquia para o PS, que conquistou cinco lugares, contra quatro daquele partido, um da CDU e um do movimento Cidadãos Por Coimbra.

Nestas eleições, o PSD obteve maioria em cinco juntas de freguesia, que representam 11 freguesias antes da reorganização administrativa, cenário em que liderava 16 num total de 31 freguesias.

A CPS do PSD/Coimbra mantém-se em «funções de gestão, até à realização de eleições, que deverão realizar-se em novembro», disse Manuel de Oliveira, eleito em 29 de setembro presidente da maior freguesia de Coimbra (Santo António dos Olivais).