"Referenciámos as datas disponíveis de outubro [dias 04 e 11], sustentados num argumento que deve pesar na consideração da data das eleições para a Assembleia da República: a data tem que permitir o máximo de participação possível nessas eleições por parte dos portugueses e por parte de todos aqueles que querem de facto participar nas eleições", afirmou o líder comunista, Jerónimo de Sousa.