O ex-candidato presidencial Manuel Alegre manifestou-se «muito incomodado» com a expulsão do PS da militante Cristina Martins, que antes denunciara casos de falsas fichas de inscrição ao Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAL) de Coimbra.

Cristina Martins, antiga coordenadora da secção da Sé Nova do PS de Coimbra, recebeu na terça-feira ordem de expulsão do PS (da qual pretende recorrer), depois de em 2011 ter comunicado a existência de inscrições de militantes com «moradas que não existem», «moradas erradas» e «duplas filiações», entre outros casos.

«Estou muito desconfortável com a expulsão de Cristina Martins, militante socialista exemplar da minha secção da Sé Nova em Coimbra, a quem expresso publicamente a minha consideração e solidariedade», declarou Manuel Alegre à agência Lusa.

Segundo o dirigente «histórico» socialista, «o problema não está no facto de Cristina Martins ter comunicado uma fraude relativa a falsas inscrições no PS».

«O problema está nessa alegada fraude em si mesma, que, além de estar a ser investigada pela Polícia Judiciária, deveria igualmente ser investigada pelos órgãos competentes do PS», contrapôs Manuel Alegre.

O membro do Conselho de Estado salientou ainda que os «eventuais responsáveis por esses factos, a serem confirmados, é que deveriam ser expulsos, e não ela».

«Estou muito incomodado e considero, tal como [o dirigente histórico socialista] António Campos, que há neste assunto um problema de ética. Não basta apregoar a ética. É preciso cumpri-la. Esta situação tem de ser repensada e esclarecida para salvaguarda do bom nome do PS de Coimbra», acrescentou Manuel Alegre.