O Presidente da República felicitou, esta segunda-feira, o futebolista português Cristiano Ronaldo, eleito melhor jogador do mundo pela terceira vez, pelo «seu excecional nível desportivo, empenho e dedicação» e contributo para «a valorização do desporto» e «projeção internacional» do país.

«Este prémio é o reconhecimento do seu excecional nível desportivo, do empenho e dedicação que tem colocado em todo o seu percurso como futebolista. Contribuindo para a valorização do desporto em Portugal, e para a projeção internacional do nosso País, este importante troféu vem juntar-se a um extenso e relevante número de galardões que recebeu enquanto futebolista, aquém e além-fronteiras», lê-se na mensagem de Cavaco Silva divulgada na página da Presidência da República.

O Chefe de Estado destacou o facto de o atleta madeirense de 29 anos fazer agora «parte do restrito número de futebolistas a nível mundial que alcançaram por três vezes este troféu».


«Entra definitivamente na galeria dos mais excecionais atletas do mundo»


A mesma atitude teve o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho: «Felicito vivamente Cristiano Ronaldo, o capitão da seleção nacional, por mais uma importante conquista na sua carreira ímpar. Com este galardão, Cristiano Ronaldo prestigia o nosso país e a seleção portuguesa e entra definitivamente na galeria dos mais excecionais atletas do mundo».

Segundo o chefe do executivo PSD/CDS-PP, numa nota enviada à Lusa, a atribuição deste prémio anual pela revista francesa France Football e pela FIFA a Cristiano Ronaldo é «inteiramente merecida», correspondendo ao «reconhecimento do profissionalismo e do talento extraordinário» do jogador do Real Madrid.

Passos Coelho refere-se a Cristiano Ronaldo como «um atleta português que é admirado e respeitado em todo o mundo», acrescentando: «A distinção de hoje regista com inteira justiça um ano notável de conquistas e recompensa o seu trabalho, dedicação e determinação, que inspiram milhões de pessoas nos quatro cantos do mundo».


«Assenta-lhe como uma luva»


Também o ministro da Presidência, Luís Marques Guedes, que tem a tutela do Desporto, se congratulou com a atribuição da Bola de Ouro 2014 ao futebolista português Cristiano Ronaldo, considerando que o prémio lhe «assenta como uma luva».

Numa curta nota enviada à agência Lusa, o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares afirmou que o prémio atribuído pela revista francesa France Football e pela FIFA ao melhor jogador de futebol do ano «assenta como uma luva em Cristiano Ronaldo».

Marques Guedes elogiou o jogador do Real Madrid e da seleção portuguesa de futebol e agradeceu-lhe: «É dele o trabalho, o talento, a qualidade e o mérito sem discussão, mas o orgulho deste prémio o Cristiano partilha com todos nós portugueses. Obrigado Cristiano!».


«Símbolo da capacidade de superação»


O secretário-geral do PS também felicitou Cristiano Ronaldo, considerando que se tornou um símbolo da «capacidade de superação, do esforço e tenacidade».

«Regozijo-me pela muito merecida atribuição da terceira Bola de Ouro a Cristiano Ronaldo, culminando um ano de 2014 em que superou todos os recordes imagináveis», declarou à agência Lusa o líder socialista António Costa.

Para o secretário-geral do PS e presidente da Câmara de Lisboa, «Cristiano Ronaldo tornou-se por direito próprio um símbolo da capacidade de superação e da não resignação, do esforço e da tenacidade».

«É, por isso, um ícone global e um verdadeiro embaixador do nosso país no mundo inteiro. Compartilho, pois, a alegria sentida pelos portugueses por mais esta distinção a um jogador absolutamente excecional, motivo de justificado orgulho de Portugal», acrescentou António Costa.

O avançado do Real Madrid e capitão da seleção portuguesa foi distinguido com a Bola de Ouro, prémio atribuído pela revista francesa «France Football» e a Federação Internacional de Futebol (FIFA).

Ronaldo, que já havia conquistado o troféu em 2008 e 2013, junta-se aos holandeses Johan Cruyff e Marco van Basten e ao francês Michel Platini, vencedores por três vezes quando o prémio era só para atletas europeus.