O líder do CDS-PP, Paulo Portas, chegou ao Palácio de Belém cerca das 17:30 para uma audiência com o Presidente da República, que já recebeu o secretário-geral do PS e o presidente do PSD, Passos Coelho.

Estas audiências, que não foram anunciadas previamente pela Presidência da República, decorrem poucas horas depois da oitava reunião entre PSD, PS e CDS-PP com vista ao «compromisso de salvação nacional» pedido pelo Presidente da República.

O líder do CDS-PP chegou ao Palácio de Belém cerca das 17:30, ainda Pedro Passos Coelho, que foi recebido na qualidade de líder do PSD, não tinha saído do Palácio, segundo os relatos dos repórteres televisivos no local.

O líder do PSD saiu do Palácio de Belém cerca de quinze minutos depois da entrada de Paulo Portas.

A oitava reunião tripartida decorreu no Largo do Rato, terminou cerca das 14:00 e o comunicado divulgado no final não faz qualquer referência a futuras reuniões nem ao andamento das conversações.

O secretário-geral do PS, António José Seguro, foi o primeiro a ser ouvido pelo Presidente da República.

De acordo com uma cronologia publicada no site do Partido Socialista, António José Seguro foi recebido no Palácio de Belém às 15:40 e a audiência terminou uma hora e cinco minutos depois.

Fonte de Belém, contactada pela Lusa ao início da tarde, apenas disse que o Presidente da República, Cavaco Silva, não tem agenda pública para hoje, mas tem «trabalho de gabinete e pode receber personalidades».

Cavaco Silva regressou hoje, à hora de almoço, de uma visita de dois dias às Ilhas Selvagens e, na quinta-feira, em declarações aos jornalistas disse que, quando regressasse a Lisboa, teria a «porta aberta» e desdramatizou o prazo de uma semana fixado pelos partidos para as conversações, que terminaria no domingo dizendo que a «pressa pode ser inimiga do bom».

«Se fosse mais um dia ou dois e conseguíssemos o bom então devíamos ficar satisfeitos na mesma», afirmou na quinta-feira, garantindo que irá aceitar a decisão dos partidos «qualquer que ela seja».

A oitava reunião entre PSD, PS e CDS-PP com vista ao 'compromisso de salvação nacional' pedido pelo Presidente da República, e que hoje decorreu no Largo do Rato, terminou cerca das 14:00 e o comunicado não faz qualquer referência a futuras reuniões nem ao andamento das conversações.

«Realizou-se hoje a oitava reunião do processo de diálogo interpartidário iniciado no dia 14 de julho de 2013, com vista a alcançar um compromisso de salvação nacional», refere apenas o comunicado final emitido hoje pelos três partidos.

A crise política arrasta-se há duas semanas, depois das demissões do ministro das Finanças, Vítor Gaspar, a 01 de julho, e do ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, no dia seguinte.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, não aceitou a demissão de Portas - que justificou o pedido por ser contra a escolha de Maria Luís Albuquerque para substituir Gaspar - e a maioria PSD/CDS-PP apresentou ao Presidente da República e publicamente a 06 de julho um compromisso até ao final da legislatura, que passaria, nomeadamente, por uma remodelação com Paulo Portas a vice primeiro-ministro.

A 10 de julho, o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, fez uma comunicação ao país onde não se referiu à solução que lhe foi proposta pela maioria e na qual propôs um 'compromisso de salvação nacional' entre PSD, PS e CDS, que inclui eleições a partir de junho de 2014.

Na sequência desta proposta, os três partidos iniciaram as conversações no passado domingo, tendo-se reunido diariamente (por vezes mais do que uma vez por dia) desde então.