A população de Ourondo, no concelho da Covilhã, voltou este domingo a ser chamado às urnas. Depois do boicote de há uma semana, apenas 10 pessoas votaram, confirmou à Lusa o ainda presidente da junta.

A mesa de voto, que tem inscritos 460 eleitores, fechou às 19:00 e os resultados, afixados cerca de meia hora depois, revelaram que para a junta da agora União de Freguesias de Casegas e Ourondo houve seis votos brancos, três votos nulos e um voto para a lista única que se apresentava a sufrágio.

Para a câmara, registaram-se sete votos na CDU, dois no PSD e um no PS. Já para a assembleia municipal, a CDU arrecadou seis votos, o PSD teve três e o PS obteve um voto.

A elevada abstenção acabou por ser o vencedor do dia e já tinha sido anunciada pelas dezenas de populares que ao final da manhã realizaram uma manifestação espontânea para recordarem que não aceitam a agregação da freguesia à de Casegas.

Os habitantes da localidade, que no dia 29 de setembro destruíram a mesa de voto, optaram este domingo por um protesto pacífico e percorreram a principal rua da aldeia ao som de bombos e a cantar o hino do Ourondo.

No final, sempre com as bandeiras do Ourondo e de Portugal erguidas, entoaram também a Grândola Vila Morena e cumpriram um minuto de silêncio pelo que consideram ser a «morte» daquela freguesia.

Depois abandonaram o espaço com a promessa de que não iriam votar e repetiram críticas ao candidato já eleito para a junta (só havia um candidato), a quem censuram por ter constituído lista, contra o que alegadamente estaria combinado e sem integrar qualquer elemento do Ourondo.