A Procuradoria Geral da República abriu um inquérito à denúncia sobre alegados crimes de corrupção de Marco António Costa, segundo avançou fonte oficial da PGR à TVI.

A mesma fonte referiu que o inquérito está pendente no Departamento de Investigação e Acção Penal do Porto.

A denúncia foi feita por Paulo Vieira da Silva, ex-dirigente do PSD/Porto, que enviou uma carta à PGR sobre aquela que apelida de “rede” de influências do atual vice-presidente e porta-voz do PSD.

Na carta, pode ler-se que o vice-presidente do PSD “não olha a meios para atingir os seus fins”. Como exemplo, Paulo Vieira da Silva acusa Marco António Costa de “fazer a cama” a Luís Filipe Menezes, utilizando os “seus homens de mão”, como Agostinho Branquinho. 
  
Em Vila Nova de Gaia, segundo o ex-dirigente do PSD, Marco António Costa “colonizou a Câmara e as empresas municipais”, “com amigos e boys”, “para alimentar alguns e para pagar favores a outros”, e tornou-se mesmo um “Dono Disto Tudo” na cidade. 

Paulo Viera da Silva disse à TVI que há "situações muito concretas" sobre as quais "tem provas" que apoiam esta denúncia.

"Há duas ou três situações muito concretas e tenho provas obviamente. Apresentei uma série de pessoas, empresas câmaras municipais e entidades públicas que podem estar subjacentes a este funcionamento que eu chamo de uma rede."

O ex-dirigente social-democrata, que em tempos foi amigo e trabalhou com Marco António Costa, diz que teve conhecimento das situações irregulares através do relato de várias pessoas.