O líder parlamentar do PS distinguiu hoje o seu partido da direita, contra a "demagogia" de PCP e BE, e condenou a "história da carochinha" contada pela atual maioria, que "comemorou a chegada da 'troika'", há quatro anos.

"A Assembleia da República já não corresponde à correlação de forças do país, não tem correspondência com a realidade. Infelizmente, ainda temos, à nossa esquerda, quem procure fazer demagogia, afirmando que PSD, CDS e PS são tudo a mesma coisa, a 'troika' portuguesa", criticou Ferro Rodrigues, frisando que "não é tudo a mesma coisa" e os socialistas são "muito diferentes da direita, do PSD e do CDS".


Na convenção nacional do PS, em Lisboa, o deputado e antigo secretário-geral socialista lamentou a versão dos factos que tem vindo a ser reproduzida pelo primeiro-ministro, Passos Coelho, o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, e as bancadas parlamentares de PSD e CDS-PP, que ignoram a grave crise económica internacional.

"À nossa direita, temos agora 'conversas em família' muito longas. Aquilo que contam é a história da carochinha, que diz que 'estes senhores [PS] deixaram o país na bancarrota' e teve de vir a 'troika'. É uma história para crianças. Só tem um problema, é totalmente falsa em todas as suas premissas e desenvolvimentos", argumentou.


Segundo Ferro Rodrigues, sociais-democratas e democratas-cristãos "chamaram pela 'troika', comemoraram a chegada da 'troika' e foram além da 'troika', durante todos estes anos".

O presidente do grupo parlamentar socialista, que empolgou a plateia do Coliseu dos Recreios, confiou que o líder do PS, António Costa, vai dar, "finalmente, após quatro anos de tragédia, uma alternativa a Portugal", elogiando ainda o programa que vai ser aprovado ainda hoje - "um produto final que honra os socialistas".