No discurso de abertura do XVI Congresso Nacional do PS, esta sexta-feira, José Sócrates disse que nunca se sentiu só na liderança do partido e aludiu «à campanha negra» levada a cabo por alguns órgãos de comunicação social. «Quem escolhe quem governa é o povo, não é um director de um jornal ou uma televisão».

Este sábado, poucos foram os congressistas a intervir que não deixaram uma palavra de solidariedade ao secretário-geral do partido e houve mesmo quem voltasse a aludir à «campanha negra». O «TVI24 online» foi ouvir os militantes mais ou menos anónimos para saber quem, na sua opinião, são os agentes dessa campanha. Se houve quem preferisse não comentar, ou apenas insinuasse, outros foram bem mais directos e apontaram a Comunicação Social como o principal agente dessa «campanha negra».

«Freeport em ano de eleições é campanha negra? É uma coincidência (irónico). Deve ser investigado o mais rápido possível», disse Marco Castro, de Lisboa. «Neste momento não acredito em tudo o que leio. Há notícias desproporcionadas, por exemplo, no Público, têm mais notícias sobre este caso do que os outros órgãos», afirmou.

Já outro militante, que preferiu não ser identificado, não hesita em afirmar directamente a culpa dos jornalistas. «A TVI está sempre a bater no PS. O Vasco Pulido Valente então... é demais», afirmou. Mas adianta que, «por mais que façam não vão conseguir manchar a imagem do Primeiro-Ministro».

Outro congressista afirmou mesmo que «os jornalistas que estão a escrever estas mentiras até deviam ser processados quando tudo se esclarecer».

Culpas também para a oposição

«Temos quatro anos extremamente calmos e depois, em ano eleitoral, vai buscar-se tudo o que existe e o que não existe. Mas estas campanhas negras até podem ser boas. No caso Freeport, Sócrates vai sair fortalecido», afirmou Maria de Lurdes Cunha, delegada por Corroios.

«Todos nós sabemos que há uma campanha negra contra o PS e José Sócrates. Mas não devemos dramatizar isso, porque quanto mais o fizermos, mais forte ela será», disse ainda, adiantando que «a comunicação social faz um certo aproveitamento, mas não é ela que denigre a imagem do PS ou do primeiro-ministro».

Já outro congressista, afirma que são os partidos da oposição os responsáveis por esta campanha. «Quando não há ideias, quando não há argumentos políticos, recorre-se a estes esquemas», afirmou.

Já Rui Mourinha, congressista de Belém, não é tão peremptório. «A comunicação social cumpre uma função importantíssima na sociedade portuguesa, agora se há uma campanha negra não sei. Não acredito que haja», afirmou.

«Leio várias opiniões, e dentro da comunicação social também há opiniões contraditórias, faço as minhas análises e se há manipulação ou não dos factos, não sei.

Não sei para quem José Sócrates estava a falar».