O porta-voz do PSD, Marco António Costa, disse hoje que após três anos com essa função vai "descansar um pouco", embora sem concretizar a ideia.

Permitam-me agora que ao fim de três anos como porta-voz do partido e diariamente a ter o gosto de lidar convosco vos diga que agora vou descansar um pouco e desejo-vos boa sorte para o vosso trabalho", disse, dirigindo-se aos jornalistas, à chegada ao Congresso do PSD, que se inicia esta noite e decorre até domingo em Espinho.

O também vice-presidente do partido, que não detalhou a que se referia com o período de descanso, declarou também que o PSD vai entrar agora num novo "tempo de ação" e esse mesmo tempo "começará com a intervenção do presidente do partido", Pedro Passos Coelho, esta noite.

Eleito pela quarta vez presidente dos sociais-democratas, com 95% dos votos, sem adversários, Passos Coelho chega ao Congresso do PSD com os desafios de apresentar uma equipa renovada e a sua estratégia para os atuais tempos de oposição.

Reunião começou poucos minutos depois da hora prevista

O 36.º Congresso do PSD foi declarado aberto pelas 21:07 em Espinho, sete minutos depois da hora prevista.

Às 21:00, com os congressistas presentes de pé e a conversarem uns com os outros, uma voz ‘off’ anunciava a abertura do Congresso, com dois ecrãs a projetarem a chegada do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, ao exterior da Nave Desportiva de Espinho.

Além das imagens filmadas de forma tradicional, viram-se algumas captadas de cima por um ‘drone’.

Cinco minutos depois, Passos Coelho entrou na sala do Congresso sob aplausos mas ainda com dezenas de lugares vazios e ao som do hino "Paz, pão, povo e liberdade".

Na sala, domina o laranja dos sociais-democratas – com alguns apontamentos de verde e vermelho - e o ‘slogan’ no painel central é o título da moção de Pedro Passos Coelho “Compromisso Reformista”.

Já numa das paredes exteriores na Nave Desportiva de Espinho não faltava o ‘slogan’ da recandidatura de Pedro Passos Coelho: “Social-democracia, sempre”.