O PS pode ter saído deste congresso com mais um candidato presidencial para além de António Guterres, publicamente já desejado por António Costa. O ex-reitor da Universidade de Lisboa, António  de Sampaio da Nóvoa, independente, disse aos jornalistas que está «disponível» para se candidatar a Belém.
 
Sampaio da Nóvoa mostrou total abertura a uma candidatura à Presidência da República: «Estou disponível para todos os projetos que contribuam para mudar Portugal».
 
Reforçou uma segunda vez: «Estou disposto a tudo, mas não quero nada, no sentido em que não ambiciono cargos, não ambiciono lugares. Não foi essa a minha vida até agora, não há-de ser essa a minha vida a partir de agora».
 
E, para estupefação até dos jornalistas, que esperavam uma resposta mais vaga, o académico, em resposta à pergunta se está disponível para Belém mesmo que o eventual candidato Guterres avance, repetiu pela terceira vez: «Estou disponível para apoiar um projeto de mudança que vá nesse sentido. E, portanto, qualquer projeto de mudança que vá nesse sentido, obviamente que estou disposto para apoiar».
 
Sobre uma eventual participação numa candidatura de António Guterres, o independente remeteu para futuro, já que não conhece o projeto do antigo primeiro-ministro para o país. «Não sei as bases da candidatura, não sei o programa. Tudo isso exige que cada um de nós, no momento certo, olhe para o que está pela frente e se possa pronunciar».
 
Sampaio da Nóvoa diz que encontrou no PS as bases de mudança que precisa para dar todo o seu apoio. «A Agenda para a Década, tal como está definida, a maneira como o dr. António Costa se dirigiu ao congresso, parecem-me anunciar esse momento de mudança, de viragem» que tem de ser «em Portugal e na Europa», disse, manifestando uma sintonia absoluta com o novo secretário-geral dos socialistas.
 
Com uma retórica apreciada entre os congressistas num discurso muito aplaudido - Ana Gomes, por exemplo, disse que daria um ótimo candidato presidencial -, Sampaio da Nóvoa é um nome que sai deste congresso para o cargo que agora é ocupado por Cavaco Silva, até 2016.
 
Esta noite, o eventual nome de Jaime Gama para Belém por parte de Francisco Assis, a um canal televisivo, eleva assim para três o número de presidenciáveis. O eurodeputado ficou de fora dos cargos dirigentes do partido e abandonou o congresso, apesar de se ter inscrito para discursar e, ao longo do dia, não ter sido chamado para falar.