António Costa foi bastante aplaudido quando chegou ao início dos trabalhos do Congresso do PS, esta sexta-feira à noite, numa sala meio cheia, onde saudou muitos "camaradas" e nos primeiros minutos fez logo um anúncio: vai propor ao congresso que o considerado pai do Serviço Nacional de Saúde seja o novo presidente honorário do Partido Socialista. 

"Queria aqui anunciar que eu e o Presidente do Partido que proporemos ao Congresso a eleição como novo presidente honorário, um dos nossos camarários que melhor representa, fundador do partido e como alguém que no governo simboliza uma das marcas que mais orgulho, o SNS, António Arnaut"

Depois das palavras de António Costa, os militantes levantaram-se e aplaudiram, repetidamente. Tal como quando fez uma homenagem aos socialistas que morreram neste último ano. 

"Cada vez que um de nós parte, há responsabilidade acrescida para quem continua a luta. Neste ano em que nos deixaram Pedro Coelho, Maria Barroso, Soares Abreu e Almeida Santos é dever de todos nós de assumirmos a responsabiilidade acrescida de dar continuidade à sua luta"

 

"É importante que o PS não se desvitalize"

Antes, o secretário-geral do PS agradeceu ter sido reeleito nas diretas do partido. "Espero estar à altura da confiança que em mim depositaram". Ladeado pelo slogan "Prometemos, cumprimos", deixou alguns pedidos, congratulando-se com o facto de estarem a ser desde logo postos em prática. 

"É importante que o PS não se desvitalize: o trabalho partidário não se esgota na ação do governo. trabalho no dia-a-dia, sindicatos onde militamos, autarquias, parlamento europeu, assembleia da república, assembleias municipais, juntas de freguesia. PS tem de estar ativo e participativo em todas as frentes. Isso é absolutamente essencial", defendeu.

Agradeceu por isso, "especialmente" a Ana Catarina Mendes, secretária geral adjunta do PS, pelo trabalho que tem feito nesse sentido, advogando a importância de o PS não se transferir para o Governo.