O antigo Presidente da República Ramalho Eanes defendeu, esta sexta-feira, a obtenção de consensos e compromissos de «longo termo» que impeçam que os ciclos eleitorais perturbem a sua continuidade.

«Há apenas que agarrar o futuro e agarrá-lo no tempo oportuno, após as eleições legislativas, com responsabilidade social, creio que os portugueses aspiram à obtenção do tal compromisso, compromisso que garanta a todos a construção do bem comum futuro», afirmou o antigo chefe de Estado, numa intervenção na conferência «Portugal: Rotas de Abril», promovida pela Presidência da República e que decorre até sábado na Fundação Champalimaud, em Lisboa.

Recuperando um dos apelos que tem sido recorrentemente feito pelo atual Presidente da República, também Ramalho Eanes se referiu à necessidade de se obter consensos e compromissos para algumas das «reformas ambiciosas» que é preciso levar a cabo.

Compromisso de «longo termo» que, acrescentou, «impeçam que os ciclos eleitorais perturbem a sua continuidade e prejudiquem mesmo o exame público dos resultados, das responsabilidades e da governação».

«É preciso fazer o principal, alcançar um compromisso, um compromisso que integre uma estratégia de consenso maioritário do poder político e da sociedade civil, em especial das forças sociais, para orientar e desenvolver com coerência e eficácia as políticas de modernização competitiva da nossa economia e apoiá-la sustentadamente», sublinhou.