O secretário-geral do PS propôs este sábado a realização do próximo congresso nacional para 4 e 5 de junho, decorrendo antes, em março, os congressos nas federações distritais deste partido, disse este sábado fonte socialista.

Este calendário foi proposto por António Costa na reunião da Comissão Nacional do PS, que tem como ponto principal a eleição de Ana Catarina Mendes para o cargo de secretária-geral adjunta.

Além da data do próximo Congresso Nacional do PS, de acordo com as mesmas fontes contactadas pela agência Lusa, António Costa fez uma intervenção em que procurou estabelecer uma separação entre a atividade governativa e política.

"Ao Governo cabe governar, ao PS cabe o combate político", afirmou António Costa, citado por um dirigente socialista.


Essa separação entre funções governativas e políticas justificou, de resto, a criação do cargo de secretária-geral adjunta e da Comissão Permanente do PS, o que libertará António Costa e muitos membros do Governo simultaneamente dirigentes socialistas do acompanhamento em permanência da atividade partidária.

Da reunião deste sábado saiu ainda a nova composição da Comissão Permanente do partido. A nova Comissão Permanente do PS, que será coordenada pela secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes, terá mais dez membros, três dos quais por inerência, avança a Lusa.

A constituição da Comissão Permanente do PS, que se pretende assumir como o "núcleo duro" do executivo partidário, deverá ser aprovada hoje na reunião que está a decorrer da Comissão Nacional deste partido.

Logo na abertura da reunião, o líder do PS, António Costa, propôs Ana Catarina Mendes para as funções de secretária-geral adjunta - um lugar que pela primeira vez é preenchido, depois da revisão estatutária de março de 2012, sob a direção de António José Seguro.

Vão integrar como membros efetivos a Comissão Permanente do PS os dirigentes Hugo Pires (Braga), João Galamba (porta-voz da direção), Luís Patrão (responsável máximo pelo pelouro financeiro), Manuel Pizarro (Porto) e os deputados Maria Antónia Almeida Santos, Maria da Luz Rosinha e Porfírio Silva (este último, secretário nacional para as Relações Internacionais).

Fazem ainda parte por inerência da Comissão Permanente do PS o líder parlamentar e presidente do partido, Carlos César, o diretor do gabinete de estudos, João Tiago Silveira, e o secretário-geral da JS, João Torres.

De referir, ainda, que o remodelado Secretariado Nacional do PS passará a contar com um total de 15 elementos, dos quais dois adjuntos, os presidente de câmara Carla Tavares (Amadora) e Miguel Alves (Caminha).