Passos Coelho e Paulo Portas vão estar separados em cinco momentos durante os 21 dias do plano de campanha eleitoral, denominado "Maratona Portugal à Frente". A campanha da coligação PSD/CDS-PP vai começar já este sábado, antes do período oficial (20 de setembro).

A "agenda paralela" do vice-primeiro-ministro foi justificada aos jornalistas pelo diretor de campanha, Matos Rosa (PSD), como uma forma de haver "ganhos de escala", aproveitando "dois líderes com grande notoriedade e grande conhecimento do terreno".

Já a diretora-adjunta de campanha, Cecília Meireles (CDS), esclareceu que serão "momentos pontuais", de manhã ou de tarde, em que haverá "um desdobramento", cita a Lusa.
 

Campanha começa e acaba em Lisboa

A coligação vai para a estrada a partir deste sábado, começando por Braga, mas o arranque do período oficial de campanha vai ser no distrito de Lisboa, e o encerramento também será na capital.

Em regra, haverá diariamente almoços e jantares com intervenções de Passos Coelho e de Portas, e serão frequentes os encontros com associações, jovens, mulheres, sindicalistas e autarcas.

Matos Rosa afirmou que PSD e CDS-PP vão fazer "uma campanha de olhos nos olhos", com "presenças regulares dos dois líderes nas redes sociais", a começar por uma declaração de Passos Coelho gravada em vídeo, a divulgar esta sexta-feira, que "marca o arranque".

Questionado sobre como é que a coligação Portugal à Frente lidará com eventuais protestos e manifestações, por exemplo, de pessoas que se consideram lesadas pelo Banco Espírito Santo (BES), Matos Correia respondeu:

"Respeitamos todas as pessoas. Esperamos que as pessoas nos respeitem também e nos deixem cumprir o jogo democrático".


Quanto à propaganda de campanha, disse que foram enviadas cartas aos eleitores residentes no estrangeiro, para as moradas cedidas pelo Ministério da Administração Interna, e que os residentes em Portugal também receberão panfletos desdobráveis no correio. Nas ações de rua, serão distribuídas canetas, bandeiras, leques e cachecóis.

No período oficial, a caravana da coligação PSD/CDS-PP vai percorrer os distritos de Lisboa, Beja, Faro, Setúbal, Bragança, Vila Real, Viana do Castelo, Braga, Aveiro, Porto, regressando depois a Braga, prosseguindo para Leiria, Coimbra e Viseu, e depois voltando ao Porto e a Lisboa, onde será feito o comício de encerramento.
 

Os momentos de separação


Paulo Portas estará na próxima terça-feira, dia 15, de manhã, nos distritos da Guarda e de Castelo Branco, ao mesmo tempo que Passos Coelho estará no distrito de Portalegre, juntando-se mais tarde em Évora.

No dia 21 de setembro, o presidente do CDS começa o dia no distrito de Setúbal e o líder social-democrata no distrito de Beja, enquanto que no dia 25 de setembro, à tarde, Portas está no distrito de Braga e Passos no de Viana do Castelo.

O "desdobramento" dos líderes vai acontecer ainda no dia 25 de setembro, à tarde, colocando Portas no distrito do Porto e Passos no distrito de Aveiro.