O grupo parlamentar do PCP exigiu hoje acesso aos testes de esforço realizados em 2011 e 2012 ao BES e à documentação que mostre a intervenção da comissão de valores mobiliários naquele banco e no Grupo Espírito Santo.

Os comunistas anunciaram que enviaram um requerimento pedindo ao Banco de Portugal os «resultados dos testes de esforço realizados em 2011 e em 2012» ao BES.

À Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM), o grupo parlamentar comunista pediu a documentação que reflita intervenção daquela entidade «sobre os problemas dos GES e do BES desde 2008 e as respetivas respostas».

O PSI20 fechou hoje a cair 1,13% para 6.111,85, acompanhando a tendência negativa da Europa, com as ações do BES a voltarem a liderar as quedas, ao recuarem quase 15%.

Entre os 20 títulos que compõem o principal índice da bolsa portuguesa, 12 desvalorizaram, sete subiram e a Espírito Santo Financial Group (principal acionista do BES com 20%) continuou com as suas ações suspensas de negociação.

O BES voltou a liderar as quedas em Lisboa, numa sessão de volatilidade para as ações do banco agora presidido por Vítor Bento, que variaram entre o máximo de 0,47 euros e o mínimo de 0,35 euros, tendo fechado a cair 14,61% para 0,38 euros, o valor mais baixo de sempre. Esta foi a sétima sessão consecutiva em que o título do BES caiu. (As cotações das várias empresas referidas na notícia não se encontravam corretas)

O presidente da comissão executiva do BES, Vítor Bento, que entrou em funções na segunda-feira, afirmou hoje que a prioridade no banco é «reconquistar a confiança dos mercados» e pôr fim à especulação.

Numa mensagem enviada hoje aos colaboradores, Vítor Bento afirma: «Nesta fase, a minha prioridade no BES consiste em reconquistar a confiança dos mercados, redobrar os nossos esforços no sentido de nos aproximar das nossas equipas, clientes, investidores e reguladores, pondo fim à especulação e abrindo caminho a um novo capítulo» na instituição financeira.