O ministro da Presidência, Luís Marques Guedes, considerou esta quinta-feira que os «atritos» no relacionamento entre Portugal e Angola não estão relacionados com a ação do Governo português e afirmou que este tudo fará para o «normalizar».

Sobre o adiamento da cimeira Portugal/Angola - que nunca teve data oficialmente marcada - anunciado na terça-feira pelo ministro angolano da Justiça e Direitos Humanos angolano, Luís Marques Guedes disse apenas que «tem que ver com uma opção própria das autoridades angolanas».

Questionado sobre este adiamento, durante a conferência de imprensa sobre as conclusões do Conselho de Ministros, o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares começou por reiterar que o Governo português considera «muito importantes» as relações com Angola e com os outros países de língua oficial portuguesa.

«O objetivo do Governo é tudo fazer para normalizar e preservar o bom relacionamento, o excelente relacionamento que existe a todos os níveis em todas as áreas com o Estado angolano, com o Governo de Angola», acrescentou.

«Os atritos que existem são conhecidos publicamente», prosseguiu Marques Guedes, «não têm origem no Governo da República, têm que ver com outros eventuais entendimentos diferenciados que existem dos dois Estados e da parte do Governo tudo continuará a ser feito - e seguramente da parte do Governo angolano também - para uma normalização».

Questionado sobre a que «atritos» se estava a referir, o ministro da Presidência respondeu: «São aqueles atritos que foram verbalizados pelo senhor presidente de Angola, não têm que ver diretamente com a ação do Governo».

Marques Guedes escusou-se depois a prestar mais declarações sobre este assunto, relata a Lusa.