A maioria parlamentar chumbou esta sexta-feira os diplomas da oposição para travar o processo de privatização da TAP, um dia depois de o Governo ter anunciado a passagem à fase de negociação de dois candidatos à compra de 66% do grupo.

Ao todo tinham sido apresentados quatro diplomas: do PCP - "Pela defesa, desenvolvimento e gestão pública da TAP como companhia aérea de bandeira nacional" -, do partido ecologista "Os Verdes" - "Anulação imediata do processo de privatização da TAP" -, do BE - "Garante a TAP enquanto empresa pública" - e do PS - "Pela defesa da TAP" (50,1% de controlo estatal).

Os quatro diplomas que defendiam a travagem do atual processo de privatização da transportadora aérea portuguesa tiveram votação idêntica, com a maioria PSD/CDS-PP isolada no voto contra e todas as bancadas da oposição a votarem favoravelmente os projetos de resolução.

O ministro da Economia, Pires de Lima, afirmou quinta-feira que o processo de privatização da transportadora aérea entrou agora numa fase de "grande melindre", prometendo que o executivo vai trabalhar para proteger os "interesses da TAP e de Portugal".

O Governo decidiu em Conselho de Ministros passar à fase de negociação com dois dos três candidatos à compra de 66% do grupo TAP, Gérman Efromovich e David Neeleman, afastando o consórcio de Miguel Pais do Amaral, por incumprimento dos "requisitos mínimos legalmente exigidos pelo caderno de encargos".