O vice-presidente da China, Li Yuanchao, manifestou esta segunda-feira a disposição do Partido Comunista Chinês (PCC) de "ampliar o amigável intercâmbio com o PS português, de modo a promover o crescimento das relações entre os dois países".

Num encontro com uma delegação socialista chefiada pelo presidente do PS, Carlos Cesar, Li Yunchao salientou que as relações sino-portuguesas registaram "rápido desenvolvimento" desde que os dois países estabeleceram um acordo de "parceria estratégica global", há 10 anos, relatou a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.

O vice-presidente chinês manifestou também o desejo de que os dois países "desempenhem um papel ativo na promoção de um duradouro e estável desenvolvimento das relações China-União Europeia", indicou a mesma fonte.

Li Yuanchao, 65 anos, é membro do Politburo do PCC.

O presidente do PS iniciou na quinta-feira em Pequim uma visita de uma semana à China, a convite do PCC.

No dia seguinte, em declarações à agência Lusa, Carlos César disse ter "uma visão benigna" do investimento chinês em Portugal e exortou a China a investir também nas áreas da inovação e da economia do mar.

"Temos procurado salientar que, além de tomarem posições em setores tradicionais como a banca, os seguros e a energia, os chineses fizessem também investimentos de inovação, no turismo, nas novas tecnologias e na economia do mar", afirmou o presidente do PS.


Foi a segunda delegação do PS recebida em Pequim em cerca de dois anos, depois da visita da antecessora de Carlos César, Maria de Belém Roseira, em janeiro de 2013.

Trata-se de "uma delegação multidisciplinar e multigeracional", que integra economistas que participaram na elaboração do programa do PS e responsáveis políticos, entre os quais o vice-presidente do governo regional dos Açores, Sérgio Ávila, indicou o presidente do partido.

O secretário do PS para as Relações Internacionais, Sérgio Sousa Pinto, que esteve um mês na China na qualidade de presidente da Comissão Parlamentar dos Negócios Estrangeiros, também faz parte da delegação.

Carlos César seguiu hoje para Jining, município da província de Shandong onde se localiza a terra natal de Confucio (Qufu), e regressa a Portugal na próxima quinta-feira. Os outros membros da delegação visitarão ainda Xangai.

A visita do presidente do PS coincide com um bom momento das relações económicas luso-chinesas.

Pelas contas da Administração-geral das Alfandegas chinesas, em 2014, as exportações portuguesas para a China cresceram 18,8% em relação ao ano anterior, ultrapassando pela primeira vez 1.600 milhões de dólares.

A China tornou-se também um dos maiores investidores em Portugal, estimando-se em cerca de 10.000 milhões de euros o montante de capital introduzido na economia do país desde que a China Three Gorges pagou ao Estado português 2.700 milhões de euros por uma participação de 21,3% na EDP, em 2012, como recorda a Lusa.