O PSD exigiu esta quarta-feira conhecer a lista de todos os balcões da Caixa Geral de Depósitos (CGD) que o banco pretende encerrar este ano, bem como as datas de fecho e critérios de seleção para o encerramento.

Num requerimento dirigido ao ministro das Finanças, Mário Centeno, entregue no parlamento, os sociais-democratas salientam que “já em 2017 a CGD procedeu ao encerramento de 64 agências presenciais, reduzindo o número de balcões em Portugal de 651 para 587”.

Esta vaga de encerramentos causou um forte sentimento de indignação e abandono junto das populações afetadas, muitas das quais localizadas em municípios do interior do país ou de pequena dimensão”, criticam os sociais-democratas.

Mais 75 balcões

No texto, assinado entre outros pelos deputados António Leitão Amaro e Duarte Pacheco, os sociais-democratas invocam notícias “não desmentidas pela CGD” de que até ao final de junho seriam encerrados mais 75 balcões.

Estas notícias, e o desconhecimento de quais as agências que irão encerrar, são causadoras de profundo alarme junto das populações”, referem, acrescentando que, nos últimos dias, o grupo parlamentar do PSD recebeu “várias perguntas e manifestações de preocupação de autarcas e cidadãos”.

Considerando que “o Governo tem o dever de transparência e de tranquilização para com as populações e os clientes da CGD”, os deputados do PSD requerem a listagem de todos os balcões da Caixa Geral de Depósitos a encerrar em 2018, bem como as datas previstas para o respetivo encerramento e o documento que identifique todos os critérios que levaram à seleção dos balcões a encerrar.

Na terça-feira, vários órgãos de comunicação social noticiaram que a Caixa Geral de Depósitos iria encerrar mais 75 balcões até ao final deste mês, de acordo com um plano denunciado no fim de semana durante um protesto promovido na vila de Alhandra pelo PCP.