O líder parlamentar do PS considerou esta quarta-feira "grave" que a comissão de inquérito parlamentar proposta potestativamente pelo PSD à Caixa Geral de Depósitos (CGD) possa ocorrer em pleno processo de reestruturação e recapitalização do banco público.

Esta posição foi transmitida por Carlos César numa nota enviada à agência Lusa, depois de o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, ter anunciado no debate quinzenal que os sociais-democratas vão impor a constituição de uma comissão de inquérito parlamentar sobre a CGD.

"Tenho as maiores reservas que um banco com a dimensão e responsabilidades no mercado da CGD, que atua em concorrência, possa ou deva ser sujeito a uma devassa pública em comissão parlamentar de inquérito", começou por apontar o presidente do PS.

"Mais grave ainda", para Carlos César, "é que isso suceda em pleno processo de reestruturação e recapitalização e que, dia-a-dia, para delícia ‘voyeurista' dos outros bancos nacionais e estrangeiros, o PSD faça o que já só sabe fazer: Destruir e desprestigiar tudo quanto encontra pela frente".

"Vejo, por isso, com muito desagrado e muita perplexidade essa irresponsabilidade", acrescentou Carlos César.