O socialista António Mourão é o primeiro invisual a disputar umas eleições autárquicas na cidade do Porto, procurando retirar a Junta de Freguesia de Cedofeita à coligação PSD/CDS, refere a Lusa.

A entrada de António Mourão na política, em 2006, foi na ocasião saudada por Marcelo Rebelo de Sousa, no seu programa dominical, como um acto de coragem, dados os preconceitos ainda existentes na sociedade portuguesa.

«Marcelo falou com muita propriedade. Só quem cá anda é que sabe, há de facto ainda muita dificuldade em aceitar a diferença, muito preconceito», disse António Mourão.

Este professor de Filosofia no ensino secundário foi em 2006 eleito presidente da secção de Cedofeita do PS com mais de 60 por cento dos votos.

Desta vez, a estrutura deu-lhe um apoio esmagador, com apenas um branco, deixando o seu adversário na disputa pelo cargo, o «alegrista» Ernesto Silva, sem um único voto.

António Mourão justificou a sua candidatura com «uma vontade de intervir, de participar na vida colectiva e poder pôr em prática o discurso» que tem proferido em vários momentos dentro do partido.

O último «palco» de uma intervenção deste dirigente foi o Congresso de Espinho, onde Mourão viu transmitida na TVI a sua comparação entre o Sócrates grego e aquele que lidera o PS.

Recordando que o Sócrates grego «fez descer a filosofia do céu para a terra», Mourão elogiou o Sócrates português por «fazer descer a política da ideologia para a acção».

António Mourão admite ter pela frente um desafio difícil, já que nas últimas autárquicas o PS ficou-se naquela freguesia pelos 27,8 por cento, enquanto a coligação PSD/CDS obteve 50,5 por cento.

Mas o candidato diz confiar no facto de haver já muita gente que o conhece na freguesia, nomeadamente porque deu aulas em dois dos seus principais liceus - o Carolina Michaëlis e o Rodrigues de Freitas, e na sua capacidade de convencer os mais de 24 mil eleitores de Cedofeita na ronda de contactos que pretende fazer porta-a-porta.

Noutra freguesia do Porto, a de Ramalde, o PS avança com o «histórico» Alfredo Fontinha, que liderou a junta entre 1994 e 2001 para tentar recuperar a autarquia liderada por Manuel Maio, do CDS/PP que concorreu em coligação com o PSD.

O nome de Alfredo Fontinha foi aprovado por unanimidade e aclamação numa reunião conjunta das secções do PS de Ramalde e do Viso, nas quais se divide o partido dentro da freguesia.

Todos os 15 candidatos socialistas a juntas de freguesia serão apresentados à cidade numa cerimónia conjunta cujos contornos ainda não estão definidos e em data a determinar.