O Bloco de Esquerda (BE) acusou esta terça-feira o Governo de «retórica eleitoral», falando em «sucesso» quando «se comprometeu com mais 1.400 milhões de euros de austeridade» para 2015.

«O que temos aqui é o discurso de um Governo que adia para depois das eleições europeias as medidas de fundo, que vai tornar permanentes os cortes ditos temporários, e simultaneamente adiando o que vai fazer aos salários e pensões dos portugueses», disse a deputada do Bloco Cecília Honório, em declarações aos jornalistas no parlamento.

A deputada falava depois de a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, ter afirmado que as medidas definidas para cumprir o défice de 2,5% em 2015 equivalem a 1.400 milhões de euros, o correspondente a 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

«Quero começar por esclarecer que as medidas hoje aprovadas correspondem a 0,8% do PIB, ou seja, a 1.400 milhões de euros. É este o montante de medidas que, neste momento, é estimado como necessário para cumprir a meta do défice de 2,5% do PIB no próximo ano», afirmou a governante hoje na conferência de imprensa após o Conselho de Ministro extraordinário.

Para o Bloco, a «retórica» do Governo é a mesma utilizada na campanha eleitoral de PSD e CDS-PP para as legislativas de 2011, e posterior formação do executivo.

«Há três anos o discurso era este, que era preciso cortar nas gorduras do Estado mas não cortar na vida das pessoas. E os portugueses bem sabem no que é que isto resultou: corte de salários, pensões, aumento de impostos. Cortou-se em todos os aspetos da vida das pessoas», advoga Cecília Honório.

«O Governo veio falar em sucesso, e na verdade comprometeu-se com mais 1.400 milhões de euros de austeridade para o próximo ano», concretizou ainda a deputada do BE.