Enriquecimento ilícito: BE diz que é preciso mudar lei

Bloquistas consideram «normal» decisão de Cavaco

Por: tvi24    |   10 de Março de 2012 às 16:55
O BE considerou hoje «normal» a decisão do Presidente da República de enviar para o Tribunal Constitucional o diploma que cria o crime de enriquecimento ilícito e que essa é uma competência sua, defendendo que é necessário alterar a lei para «um combate eficaz à corrupção».

O «BE entende esta decisão do senhor Presidente da República como normal, portanto, este pedido ao Tribunal Constitucional da fiscalização preventiva é uma competência do Presidente da República», afirmou à agência Lusa a deputada do BE Cecília Honório.

Cecília Honório referiu que resta ao Parlamento «aguardar pela avaliação que o Tribunal Constitucional fará», mas disse que a sua bancada está certa de que «é necessária uma alteração do quadro legal para um combate eficaz à corrupção».

O Presidente da República enviou ao Tribunal Constitucional, para efeitos de fiscalização preventiva da constitucionalidade, o Decreto nº 37/XII da Assembleia da República», lê-se numa nota divulgada hoje no site da Presidência da República.

Segundo a nota, «atendendo às diversas questões suscitadas em torno da constitucionalidade deste diploma, que pode pôr em causa princípios essenciais do Estado de direito democrático», Cavaco Silva entendeu que a sua entrada em vigor deve ser precedida da intervenção do Tribunal Constitucional para que «a criminalização do enriquecimento ilícito se processe sem subsistirem dúvidas quanto a eventuais riscos de lesão dos direitos fundamentais de todos os cidadãos».

O diploma foi aprovado na Assembleia da República a 10 de fevereiro, com os votos contra do PS.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Cecília Honório
Cecília Honório

COMENTÁRIOS

PUB
Passos rejeita devolver totalidade dos cortes salariais em 2016

Primeiro-ministro dá o dito por não dito e volta a insistir na reposição gradual de salários. Depois de afirmar que reversão dos cortes em 2016 será integral, afirma que, se for reeleito, fará uso do que tem sido a posição pública do Governo e vai propor uma reversão salarial de apenas 20% nesse ano, contrariando o TC