“No momento em que se liquidaram as quotas (leiteiras) começou o princípio do fim”, diz o candidato da CDU, avisando que os produtores nacionais “não aguentarão muito tempo sem a necessidade de uma regulação, particularmente com a orientação da UE”.




Há vinte anos haveria uns 80 mil produtores em Portugal, agora não chegam a seis mil, explica Pedro. Mas este número poderá ainda encolher mais, esmagado pela compressão dos preços.     

Pedro e Manuela dizem que só aguentarão durante mais “seis a oito meses” esta situação. E depois? “Depois, olhe, dedico-me a outra coisa qualquer”, diz ele. E as vacas? “As vacas mando-as abater todas”. Manuela interrompe as palavras do marido. “Ai, Pedro…”. Pedro oferece um sorriso leve: “A minha esposa não gosta de ouvir isto”. Manuela arranca de si um sorriso pesado e diz que as vacas são uma “paixão” e não se imagina a fazer outra coisa. 


“Este terreno foi uma prenda do meu pai quando acabei o curso na Escala Superior Agrária”, diz ele. E os olhos brilham-lhe: “Tinha mato e silvas e depois tive que limpá-lo, fazer o projeto, investir e estou aqui”.