A deputada do CDS-PP Cecília Meireles perspetiva que se todos os contribuintes pagarem aquilo que é devido, «no futuro», todos poderão vir a pagar «um bocadinho menos» de impostos, reagindo aos dados da execução orçamental, no parlamento.

«Significa que se cada um pagar aquilo que é devido e todos pagarem, isso abre caminho, no futuro, para todos pagarem um bocadinho menos», afirmou a parlamentar centrista, considerando que os números estão «em linha» com os «objetivos» da maioria PSD/CDS-PP, o que é «um bom sinal e de credibilidade».

O défice orçamental das administrações públicas ascendeu aos 5.959,1 milhões de euros até outubro, um aumento de quase 1.950 milhões de euros face ao mês anterior, segundo a síntese divulgada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), embora com uma melhoria de 1.841,6 milhões de euros face ao período homólogo.

«Isto é conseguido com dois fatores fundamentais. O primeiro tem a ver com a boa execução da receita - bastante acima do previsto. E isto aconteceu não com recurso ao aumento de impostos, pois não houve aumento de taxas, quer no IRS, quer no IVA e há até uma baixa no IRC», continuou.

Segundo Cecília Meireles, «aquilo que há é a atividade económica que, à medida que se sente a retoma, dá origem a mais receita e, por outro lado, também um combate eficaz à fraude e evasão fiscais».

«Em segundo lugar, chamava também a atenção para a despesa estar sob controlo e a primária reduz-se até, creio, em 244 milhões de euros e isto é conseguido apesar da despesa com salários ter um aumento significativo que tem a ver com as decisões do Tribunal Constitucional», afirmou.

A DGO adiantou ainda que a receita fiscal líquida acumulada no Estado ascendeu a 30.282,2 milhões de euros, o que representa um crescimento de 6,8% face aos 28.345,9 milhões arrecadados no mesmo período de 2013.