A presidente do CDS, Assunção Cristas, disse esta segunda-feira, em Câmara de Lobos, na Madeira, que o PS, apoiado no parlamento pela esquerda radical, "não quer saber da vida quotidiana das famílias portuguesas".

O PS, apoiado nos partidos mais radicais da nossa esquerda, fazendo um verdadeiro governo das esquerdas unidas, o que não quer saber é da vida quotidiana das famílias portuguesas, não quer encontrar a solução para a natalidade", declarou a dirigente no jantar/comício do CDS-PP em Câmara de Lobos, na Madeira, e numa alusão ao pacote sobre natalidade apresentado pelo partido na Assembleia da República.

Assunção Cristas salientou que o CDS-PP continuará "sempre a bater-se pelas famílias portuguesas e pela natalidade".

A líder centrista disse não aceitar lições de "moralidade", quando o PS e os partidos de esquerda no parlamento afirmam que o CDS não tem "legitimidade" para apresentar medidas de apoio às famílias e à natalidade: "não aceitamos nenhuma lição de moralidade de quem pôs o país na bancarrota".

Assunção Cristas disse que o partido está "preparado" para o desafio de eleições legislativas, embora não se saiba quando irão acontecer, porque "este governo das esquerdas radicais está bem unido e na verdade são farinha do mesmo saco".

A presidente do CDS alertou também para "outro desafio que tem data marcada", que são as eleições autárquicas.

Se o CDS-PP quer passar para a I liga da política, nós temos também que ganhar espaço autárquico", concluiu.

A este propósito, o presidente do CDS-PP na Madeira, Lopes da Fonseca, disse que o partido, a nível regional, quer apresentar-se ao eleitorado "já nas eleições autárquicas", anunciando que o autarca centrista de Santana, Teófilo Cunha, será de novo candidato à liderança da autarquia.