O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, considerou que Ana Clara Birrento é «seguramente elegível» no oitavo lugar da lista às europeias, defendendo que é uma candidata que testemunha a área política «social cristã» do partido.

No final da reunião do Conselho Nacional do CDS-PP, que aprovou o acordo político com o PSD para a coligação às eleições europeias e a lista dos nomes indicados pelos centristas, Paulo Portas afirmou que Ana Clara Birrento é «seguramente elegível para o Parlamento Europeu».

Como diretora da Segurança Social no distrito de Setúbal, Ana Clara Birrento é um «testemunho» da área política do CDS-PP, que é «social cristã», defendeu Paulo Portas que disse querer uma «voz» dos mais desfavorecidos na Europa, proveniente de um distrito onde o centro-direita teve «resultados preocupantes» nas eleições autárquicas.

«Quero uma voz social cristã, ativa nas questões sociais e com testemunho a ajudar os mais pobres, no Parlamento Europeu», declarou.

«Como foi dito pelo Nuno Melo, a crise nas dívidas soberanas nalguns países europeus provocou uma recessão muito dura, que felizmente terminou, no seu critério técnico, mas há muita gente que passa dificuldades, que passa mal e [essas pessoas] têm de estar nas prioridades, quer da construção europeia, quer da nossa ação politica», afirmou.

Paulo Portas disse que «os mais pobres e excluídos não podem ser danos colaterais olhados tecnocraticamente da crise das dívidas soberanas».

O acordo político foi aprovado pelo Conselho Nacional, o órgão máximo do partido entre congressos, com 138 votos a favor, duas abstenções e um voto contra, ao passo que as listas foram aprovadas com 95% dos votos.

Portas explicou que os lugares do CDS-PP na lista de coligação com o PSD foram escolhidos tendo por base «critérios objetivos», a comparação com as últimas eleições europeias, aplicando o método de Hondt, com uma correção pelo facto de Portugal perder um eurodeputado.

«As relações entre partidos são relações entre instituições», frisou.

O primeiro nome do CDS-PP será, como já havia sido anunciado, Nuno Melo, em quarto lugar, na lista da coligação «Aliança Portugal», liderada pelo eurodeputado social-democrata Paulo Rangel.

Portas anunciou como terceiro nome dos centristas, a concorrer em 14º lugar, o antigo autarca de Ponte de Lima Daniel Campelo, o quarto nome, a concorrer em 19º lugar, será Luís Barros Mendes, sendo suplentes a candidata do CDS à Câmara de Vagos nas últimas autárquicas, Maria do Céu Marques e o líder da Juventude Popular, Miguel Pires da Silva.

Sobre o eurodeputado Diogo Feio, que não está lista, Paulo Portas disse que «foi um excelente deputado europeu, com uma reputação e credibilidade indiscutíveis».

«Convidei-o para meu vice-presidente no último Congresso. O mundo não acaba no Parlamento Europeu, ele vai ter oportunidade, e eu farei por isso, de por o talento ao serviço do país», afirmou.