O ex-ministro do CDS-PP Nobre Guedes disse, este sábado estar «totalmente esclarecido» com o discurso de Paulo Portas sobre a crise do verão passado, considerando que «os portugueses querem falar do futuro» e não dão importância às candidaturas internas partidárias.

O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, afirmou que a crise política do verão acabou por resultar num Governo «mais forte» e que «a economia beneficia com isso», sustentando que «o que teve de ser teve muita força».

No final do discurso, que aconteceu antes da interrupção para almoço do primeiro dia do XXV congresso do CDS-PP que decorre até domingo em Oliveira do Bairro, Nobre Guedes disse aos jornalistas estar «totalmente esclarecido» com o discurso de Portas relativamente à crise do verão de 2013.

«Eu vim a público minorar muitas críticas que na altura lhe fizeram. Fui muito criticado até por gente do partido por o ter feito e não me arrependo nada de o ter feito. Não é isso o essencial», considerou.

Na opinião do antigo vice-presidente do CDS-PP Nobre Guedes, «os portugueses querem falar do futuro».

Sobre o pedido do líder do partido para que o Congresso se centre em Portugal e não em «querelas fulanistas», o ex-ministro disse ter ficado «muito satisfeito» porque representa o que anda «a dizer há dois dias».

«O facto de uma candidatura aqui ou acoli não tem importância nenhuma. Os portugueses não ligam a menor importância a isso», justificou.

Nobre Guedes, que poderá candidatar-se a presidente do Conselho Nacional pelo movimento Alternativa e Responsabilidade (AR), realçou ainda que Portas disse que iria «ter uma segunda intervenção», que considerou que «vai ser a intervenção essencial».

«Porque vai falar daquilo que é essencial: o que é que nós queremos para Portugal nos próximos 20 ou 30 anos», justificou.

Cristas: Governo mais estável e robusto

A ministra da Agricultura considerou, este sábado, que o Governo está mais estável, robusto e com um pendor económico mais marcado e que o discurso de Paulo Portas mostra que o CDS «está preparado para dar toda a estabilidade» governativa.

Assunção Cristas falava aos jornalistas no final do discurso do líder do CDS-PP, Paulo Portas, que afirmou que a crise política do verão acabou por resultar num Governo «mais forte» e que «a economia beneficia com isso», sustentando que «o que teve de ser teve muita força». «Discurso muito sólido, muito construtivo e que mostra bem como o CDS está preparado para dar toda a estabilidade na governação», disse a ministra.

Na opinião de Assunção Cristas, o discurso «mostra como o CDS, hoje, considera que estamos bem melhor do que há um ano atrás sob todos os pontos de vista».

«E como é evidente também com um Governo mais estável, mais robusto e com um pendor económico mais marcado», disse.