O líder da concelhia do CDS-PP/Porto, Pedro Moutinho, respondeu este sábado ao ex-presidente da Assembleia Municipal do Porto, considerando que há Daniel Bessa «a menos na Câmara do Porto» e «a mais ao lado do Governo».

Em causa estão as declarações feitas pelo ex-presidente da Assembleia Municipal do Portosobre a sua demissão do cargo ao programa da Rádio Renascença «Conversas Cruzadas» - transmitido no domingo depois do meio-dia -, no qual considerou que «há CDS a mais» num movimento que nasceu como independente na autarquia portuense.

Este sábado, em declarações à agência Lusa, Pedro Moutinho, disse não compreender estas declarações, acrescentando que «nem isso pode ser novidade porque Daniel Bessa encabeçou uma lista sabendo todos os elementos que a constituíam».

«Hoje temos Daniel Bessa a menos na Câmara do Porto. Num momento em que a Câmara do Porto está a discutir com a administração central a aplicação e a gestão de fundos estruturais, num momento em que a cidade devia estar toda unida e unida à volta do seu presidente, Rui Moreia, aquilo que vemos é que temos Daniel Bessa a menos na Câmara do Porto e temos Daniel Bessa a mais ao lado do Governo», acusou.

O líder da concelhia centrista rejeita que este episódio fragilize de alguma maneira a liderança do presidente independente da Câmara do Porto, considerando que «Rui Moreira continua a liderar de uma forma exemplar e surpreendente para todo o país a Câmara do Porto».

«Embora tenhamos pena, poucos se surpreenderão com a saída de Daniel Bessa. Em tempos, houve também Daniel Bessa a menos na Assembleia Municipal de Vila Nova de Cerveira, já houve Daniel Bessa a menos no Governo com António Guterres e, portanto, esta saída não surpreenderá, seguramente, muita gente», observou.

Pedro Moutinho começou por lamentar «a saída de Daniel Bessa da liderança da Assembleia Municipal do Porto».

«Daniel Bessa é uma das mentes mais brilhantes do nosso país e é uma personalidade com uma envergadura que daria muito à cidade se estivesse connosco. Vejo a saída dele com muita pena», sublinhou.

Na entrevista à Rádio Renascença, o economista afastou qualquer associação entre as críticas do presidente da autarquia à gestão dos fundos comunitários e a sua demissão, associação feita pelo facto de o ex-ministro socialista integrar um grupo de personalidades que aconselham o Governo nos fundos estruturais.

Daniel Bessa renunciou ao cargo de presidente da Assembleia Municipal do Porto a 27 de janeiro, tendo então alegando motivos pessoais.