O deputado do CDS-PP Hélder Amaral afirmou esta quarta-feira que a greve anunciada na TAP é «insensata» e merece «atitude firme» do Governo, caso não haja bom senso por parte dos trabalhadores, após receber representantes dos funcionários da companhia aérea, no Parlamento.

«Esta greve, para nós, é insensata porque o direito à greve, que não está aqui em causa, é também um ato de responsabilidade. Este número de dias na época do Natal parece-nos uma greve insensata, irresponsável e esperávamos que os trabalhadores pudessem ponderar e dar sinais ao país de que possa não se concretizar», afirmou.

Mais de 10.000 clientes contactaram a TAP para pedir a anulação de reservas de voos ou a alteração de datas, devido ao pré-aviso de greve para os dias 27 a 30 de dezembro, informou hoje a companhia aérea, que contava com cerca de 130 mil reservas para o período da paralisação.

«Para não nos acusarem, como é normal, de que nós nacionalizarmos prejuízos e privatizarmos lucros, esta privatização tem isso tudo. É uma privatização que engloba lucros e prejuízos e dota a companhia das condições para continuar a ser uma bandeira e uma referência para o país», defendeu o parlamentar democrata-cristão.

Os 12 sindicatos que representam os trabalhadores da TAP - grupo que entretanto o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), afeto à UGT, abandonou - convocaram uma greve de quatro dias, na sequência da recusa do Governo de suspender a privatização da companhia.

«Se não houver esse bom senso nem essa responsabilidade, o que dizemos é que o Governo tem de ter uma atitude firme, defender o interesse nacional e usar todos os mecanismos ao seu alcance para reduzir ao máximo os prejuízos de uma greve», declarou ainda Hélder Amaral.