O vice-presidente do CDS-PP Diogo Feio colocou este sábado o presidente cessante do partido, Paulo Portas, na "galeria" dos "maiores líderes do centro-direita em Portugal na história da democracia", junto a Cavaco Silva e Sá Carneiro.

Após o emotivo discurso de despedida do líder centrista, que deverá ser sucedido por Assunção Cristas no 26.º Congresso, que decorre em Gondomar até domingo, o antigo parlamentar na Assembleia da República e no Parlamento Europeu reconheceu que os militantes são "pessoas" e "não de ferro", pois "16 nos marcam muito" e "há muitas memórias, momentos, incentivos".

"A quantidade de vezes que disseram que o CDS ia desaparecer... e nós aqui, com Paulo Portas, aguentámos, resistimos...", congratulou-se.

"É um político que marca muito. Acho que é dos maiores lideres do centro-direita em Portugal na história da democracia. Houve figuras que marcaram, Cavaco Silva, duas vezes primeiro ministro e Presidente da República, Sá Carneiro está na memória de todos. Paulo Portas está nessa galeria", disse.

Questionado se vai integrar os quadros dirigentes escolhidos pela futura presidente, Diogo Feio optou por declarar que "isso a seu tempo se saberá".

"Acredito muito na forma como Assunção Cristas está a pensar o partido. A prioridade, por exemplo, virada para as propostas que o partido vai ter de apresentar para a resolução dos problemas dos portugueses, um partido que vai ter de ser adaptado às novas circunstâncias de natureza política. Pegando no título da moção, tenho uma grande esperança naquilo que será o futuro do CDS", concluiu.