O CDS-PP entregou esta quinta-feira uma alteração ao projeto de resolução sobre o Programa de Estabilidade, passando a propor a sua rejeição e não a mera revisão e votação pelo parlamento, como inicialmente.

O novo texto do projeto de resolução centrista passa a pedir a rejeição do Programa de Estabilidade 2017-2021 apresentado à Assembleia da República em 13 de abril, abandonando a recomendação para uma revisão que incluísse a retoma das reformas estruturais adotadas pelo anterior executivo, assim como políticas para o crescimento económico.

Também no ano passado os centristas apresentaram, num momento inicial, um texto pedindo que o Parlamento votasse os Programas de Estabilidade e Nacional de Reformas, acabando por propor a rejeição dos documentos.

Assim, os centristas pretendem forçar os partidos da esquerda (que apoiam o Governo no Parlamento, mas que são contra as regras europeias na base da elaboração destes programas) a manifestarem-se através do voto.

No ano passado, a maioria que suporta o Governo uniu-se na rejeição a esse projeto de resolução do CDS-PP, com o PS, o PCP, o BE e o PEV a votarem contra, enquanto o deputado do PAN optou pela abstenção.