O vice-presidente do CDS-PP Nuno Magalhães destacou este sábado a “liderança de proximidade” de Paulo Portas que, mesmo continuando por perto, dará “espaço” a Assunção Cristas para ser “também ela uma líder carismática”.

“É evidente que me emocionei, foram muitos anos a trabalhar com Paulo Portas e marca qualquer pessoa. Era uma liderança de proximidade. Agora, com ânimo, vamos virar a página [e] Paulo Portas continuará sempre connosco”, afirmou o centrista no final do discurso que marcou a despedida do ainda líder do CDS no 26.º congresso do partido a decorrer este fim de semana em Gondomar.

Nuno Magalhães assegurou, porém, que Portas “tem talento suficiente para, andando por perto, dar espaço à nova líder” e que Assunção Cristas “só beneficia com o facto de [o partido] poder contar com a inteligência de Paulo Portas”.

“A Assunção [Cristas] vai ser a nova líder, tem uma nova equipa, vai ser diferente, ela é diferente de Paulo Portas e portanto fará um mandato diferente mas espero que igualmente com o mesmo sucesso que Paulo Portas”, realçou.

Quanto à expressão usada por Portas para descrever a única candidata à liderança - “a safe pair of hands” (um par de mãos seguras) - que subscreveu, Nuno Magalhães afirmou “essa segurança é algo que transparece” em Assunção Cristas.

“Os portugueses apreciam e percebem isso na Assunção. É segura, é firme nas suas opções, é segura nas suas opiniões, é segura na forma como estuda os dossiês antes de decidir”, sustentou o centrista que se disse disponível para “a ajudar” a ser “também ela uma líder carismática”.